Bolsonaro teme o brilho de Chico Buarque

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 10 de outubro de 2019 as 09:28, por: CdB

Já tratado mundialmente como um sujeitinho tosco, agressivo e arrogante, que “não está à altura do cargo” que ocupa no Brasil, como desabafou o presidente francês Emmanuel Macron,  Jair Bolsonaro está prestes a cometer mais um vexame planetário.

Por Altamiro Borges – de São Paulo

Na terça-feira, na entrada do Palácio da Alvorada, ele sinalizou à imprensa que não assinará o diploma concedido ao compositor, cantor e escritor Chico Buarque pelo Prêmio Camões, o principal troféu literário da língua portuguesa.

Chico Buarque
Chico Buarque

Com aquele sorriso escroto, o “capetão” ironizou: “Chico Buarque? Até 31 de dezembro de 2026, eu assino”, já dando como certa sua reeleição em 2022.

O valor do prêmio, que é de 100 mil euros, inclusive já foi pago pelos governos de Portugal e Brasil. Mas o medíocre Jair Bolsonaro, temendo a genialidade e o brilhantismo do renomado artista brasileiro, faz birra e tenta agradar sua milícia fascista, que detesta a cultura e persegue os artistas. A intenção rancorosa de não assinar o diploma do Prêmio Camões já estava prevista há dias.

Em meados de setembro, o repórter Gustavo Uribe revelou na Folha que o governo estava dividido sobre o tema, temendo as repercussões negativas no mundo. “Para integrantes do setor moderado, como o valor já foi liberado, a assinatura do diploma seria apenas uma iniciativa protocolar e, por isso, o presidente deveria seguir a tradição, evitando criar um constrangimento com o governo português.

Avaliação

Na avaliação de membros do núcleo ideológico, no entanto, ao não assinar o documento, o presidente faria um gesto político, posicionando-se contra o uso de recursos públicos em ações não prioritárias”.

Antes disso, o ex-secretário especial de Cultura, o defenestrado Henrique Pires, já havia informado que quase foi demitido em maio quando Chico Buarque foi anunciado como vencedor do Prêmio Camões.

O tal “núcleo ideológico”, composto pelos filhotes do “capetão” e por seguidores do filósofo de orifícios Olavo de Carvalho, desqualificou a premiação e os dois integrantes brasileiros do júri internacional, os escritores Antonio Cícero e Antônio Hohlfeldt. Agora, o fascistoide Jair Bolsonaro ameaça não assinar o diploma. Baita mico planetário!

Altamiro Borges, é jornalista.

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil