Brasil registra aumento no número de transplantes

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado sexta-feira, 27 de setembro de 2019 as 12:50, por: CdB

Balanço divulgado pelo Ministério da Saúde mostra crescimento no número de transplantes de medula óssea e coração no primeiro semestre de 2019 em comparação ao mesmo período em 2018 .

Por Redação, com ANSA – de Brasília

O Ministério da Saúde divulgou nesta sexta-feira, Dia Nacional de Incentivo à Doação de Órgãos, balanço sobre a doação de órgãos, tecidos e células, e transplantes realizados no país no primeiro semestre de 2019 em comparação ao mesmo período de 2018. Também foi lançada a Campanha Nacional de Incentivo à Doação, que este ano traz o slogan ‘A vida continua. Doe órgãos. Converse com sua família’.

Brasil registra aumento no número de transplantes mais difíceis de serem realizados
Brasil registra aumento no número de transplantes mais difíceis de serem realizados

O balanço do período apontou crescimento de transplantes considerados mais complexos, ou seja, que são mais difíceis de serem realizados devido a aspectos como tempo curto entre retirada e implante do órgão, estrutura necessária nos hospitais e equipes especializadas. Os transplantes de medula óssea aumentaram 26,8%, passando de 1.404 para 1.780. Já os transplantes de coração cresceram 6,3%, passando de 191 para 203.

Durante o lançamento, o ministro da Saúde interino, João Gabbardo, assina portaria que reajusta o valor pago nas soluções de preservação de três órgãos. Estas soluções são usadas para manter a viabilidade das células dos órgãos antes de serem transplantados, garantindo o funcionamento adequado no receptor.

Para a captação de rim e coração o valor passou de R$ 35/litro para R$ 350/litro. Já para pulmão, o reajuste foi de R$ 269,00, passando de R$ 81 para R$ 350/litro. Esses valores foram definidos em 2007 e nunca sofreram reajuste. A medida representa impacto financeiro de R$ 3,5 milhões, que serão repassados via Fundo de Ações Estratégicas e Compensação (FAEC), a partir da produção apresentada pelos estados ao Ministério da Saúde. A expectativa é que o reajuste impacte positivamente no aumento do número de transplantes desses órgãos.

No geral, o Brasil manteve o número de transplantes realizados no primeiro semestre de 2019 (13.263) em comparação com o mesmo período de 2018 (13.291). Dez estados nas cinco regiões do país apresentaram crescimento: BA, DF, ES, MG, MS, PR, RN, RS, SC e SP. Além dos transplantes de medula óssea e coração, também tiveram aumento pâncreas rim (45,7%), passando de 46 para 67; e pâncreas isolado (26,7%), que cresceu de 15 para 19 transplantes. Três estados zeraram a fila de transplantes de córnea: Pernambuco, Ceará e Paraná.

Com o aumento no número de doadores efetivos, ou seja, aqueles que iniciaram a cirurgia para a retirada de órgãos com a finalidade de transplante, o Brasil deve fechar 2019 com taxa de 17 doadores efetivos por milhão da população (PMP), ultrapassando a meta do Plano Plurianual do Ministério da Saúde, que previa o alcance de 15 doadores efetivos PMP para este ano. Em números absolutos, o país deve alcançar 3.530 doadores efetivos este ano.

Estes resultados reforçam ainda mais a importância do investimento em ações de conscientização da população e capacitação de profissionais de saúde, sobre a importância da doação de órgãos para a realização dos transplantes, salvando mais vidas realizadas pela União, estados e municípios.

O Ministério da Saúde tem observado aumento dos consentimentos familiares para a doação de órgãos, atribuindo o mesmo ao trabalho voltado a divulgação de informações. O aumento na taxa de autorização, chegando este ano a uma média de 60%, é fruto de uma sociedade mais consciente do seu papel e da importância de seu gesto. Porém, ainda 40% das famílias dos possíveis doadores ainda dizem ‘não’ à doação. Por isso, é importante que os parentes e pessoas próximas saibam da vontade do seu familiar em ser doador.

O Brasil possui o maior programa público de transplante de órgãos, tecidos e células do mundo, que é garantido a toda a população por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), responsável pelo financiamento de cerca de 95% dos transplantes do país. O Sistema Nacional de Transplantes é formado pelas 27 Centrais Estaduais de Transplantes; 13 Câmaras Técnicas Nacionais; 619 estabelecimentos; 1.157 equipes de transplantes; 574 Comissões Intra-hospitalares de Doações e Transplantes; e 72 Organizações de Procura de Órgãos (OPOs).

O Ministério da Saúde repassa recursos para estados e municípios apoiando na qualificação dos profissionais de saúde envolvidos nos processos de doação e transplante. O orçamento federal para essa área mais que dobrou em 11 anos, passando de R$ 458,40 milhões para R$ 1,058 bilhão.

A pasta está ofertando 74 oficinas com intuito de capacitar 4 mil médicos, até 2020, em atendimento à nova resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) para o diagnóstico da morte encefálica. O projeto piloto foi aplicado em São Paulo e já está sendo multiplicado chegando a todos os estados. A maioria dos estados também está participando ativamente na capacitação de seus profissionais, inclusive firmando parcerias com entidades médicas especializadas.

O Ministério da Saúde permanece com a parceria firmada por meio do acordo de Cooperação técnica das companhias aéreas comerciais e da Força Aérea Brasileira (FAB) na logística de transporte. Juntas transportaram 696 órgãos no primeiro semestre de 2019, sendo 626 por voos comerciais e 70 pela FAB. Essas parcerias são fundamentais para o sucesso do programa que exige uma logística ágil e confiável para levar a captação e o transplante para as diferentes partes do país.

Campanha

Todos os anos, no Dia Nacional de Incentivo à Doação de Órgãos, 27 de setembro, o Ministério da Saúde lança uma nova campanha de conscientização sobre a importância da doação de órgãos. Este ano, o slogan da campanha é ‘A Vida Continua. Doe órgãos. Converse com sua família’. As peças trazem histórias reais de famílias que disseram sim para a doação no momento mais difícil de suas vidas. A campanha começa a ser veiculada no dia 27 de setembro nas rádios, TVs, revistas, espaços em portais na internet e redes sociais.

Prêmio Anual

Durante a cerimônia de lançamento da campanha, o Ministério da Saúde vai entregar o Prêmio Anual “Destaque na Promoção da Doação de Órgãos e Tecidos”. O reconhecimento é entregue a uma instituição (pessoa jurídica) e a uma pessoa (pessoa física).

Neste ano, a pessoa física agraciada é o diretor-presidente do Hospital do Rim, Dr. José Medina, por sua liderança de duas décadas a frente deste brilhante estabelecimento, líder mundial em número de transplantes de rim realizados anualmente, ajudando a milhares de brasileiros de todos os cantos do país a realizarem seus transplantes.

Na categoria pessoa jurídica, homenageamos a ABTO, Associação Brasileira de Transplante de Órgãos, uma entidade sem fins lucrativos, constituída em 14 de abril de 1987, com a finalidade de promover e estimular o desenvolvimento de todas as atividades relacionadas com os transplantes de órgãos e tecidos humanos; congregar os profissionais e as entidades envolvidas em transplantes de órgãos e tecidos; e estimular a doação de órgãos e tecidos e todas as atividades que se relacionam a causa da doação e transplante. A mesma é hoje presidida pelo Dr. Paulo Pêgo, que recebe a honraria destaque na promoção da doação de órgãos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *