Brasil supera 120 mil mortes e infecções pela covid-19 no mundo chegam a 25 milhões

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias
Publicado domingo, 30 de agosto de 2020 as 16:19, por: CdB

Os dados mostraram um crescimento global estável, conforme o epicentro da doença muda mais uma vez, com a Índia agora ocupando o lugar dos Estados Unidos e da América Latina, com destaque para o Brasil.

Por Redação, com agências internacionais – de Londres e São Paulo

Os casos de coronavírus no mundo passaram de 25 milhões neste domingo, de acordo com levantamento da agência inglesa de notícias Reuters, enquanto a Índia registrou um recorde mundial de novos casos diários em meio à pandemia da covid-19 e o Brasil superar a casa dos 120 mil mortos.

O número de mortos pela covid-19 permanece em alta, no país
O número de mortos pela covid-19 permanece em alta, no país

Os dados mostraram um crescimento global estável, conforme o epicentro da doença muda mais uma vez, com a Índia agora ocupando o lugar dos Estados Unidos e da América Latina. O registro na Índia de 78.761 novas infecções por coronavírus em um só dia, divulgado neste domingo, ultrapassou o registro de 77.299 casos relatado pelos Estados Unidos em meados de julho. O aumento no país do sul asiático elevou o número de casos globais para 25.074.751.

O número oficial de casos de coronavírus é agora pelo menos cinco vezes maior que o número de doenças graves oriundas do vírus influenza registradas anualmente, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Pandemia

Em todo o mundo, já ocorreram mais de 840 mil mortes, considerado um indicador mais lento dado o período de incubação de duas semanas do vírus. Essa contagem já ultrapassa os registros estimados de 290 a 650 mil mortes anuais relacionadas à gripe.

A Índia, o segundo país mais populoso do mundo, está em terceiro atrás de Estados Unidos e Brasil em número total de casos, mas tem ultrapassado consistentemente ambos em novos casos diários desde 7 de agosto, de acordo com o levantamento da Reuters.

Apesar do aumento do número de casos, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, tem pressionado pelo retorno à normalidade de forma a diminuir a crise econômica da pandemia, depois de impor uma quarentena restrita para seus 1,3 bilhão de habitantes em março.

Métricas

O governo anunciou no sábado que vai reabrir as redes de trens subterrâneos —que são utilizadas por milhões na capital Nova Délhi— e permitir eventos esportivos e religiosos de forma limitada a partir do próximo mês. A América Latina é a região com mais infecções no mundo, embora alguns países da região estejam começando a apresentar um ligeiro declínio nos contágios.

Nos Estados Unidos, as métricas sobre novos casos, mortes, hospitalizações e taxas de positividade em testes estão diminuindo, mas existem pontos emergentes da doença no Meio-Oeste do país.

O ritmo global de novas infecções se estabilizou um pouco. Demorou cerca de três semanas para que o número de casos saltasse de 20 para 25 milhões. Comparado com os 19, 24 e 39 dias que foram necessários para, respectivamente, aumentarem 5 milhões de casos ao levantamento global quando este chegou aos 20 milhões, 15 milhões e 10 milhões.

Impacto

A taxa de novos casos diários desacelerou para cerca de 1,2% em relação a agosto até agora. Isso ante 1,7% em julho, 1,8% em junho, 2,1% em maio, 4,6% em abril e 7,7% em março.

Especialistas em saúde enfatizam que os dados oficiais quase certamente subnotificam tanto infecções quanto mortes, especialmente em países com capacidade limitada de testes.

Embora a trajetória da Covid-19 ainda esteja muito aquém da gripe espanhola de 1918, que infectou cerca de 500 milhões de pessoas, matando pelo menos 10% dos pacientes, os especialistas temem que os dados disponíveis minimizem o verdadeiro impacto da pandemia.

Letalidade

No Brasil, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) informou, neste domingo, que o Brasil contabiliza 120.546 mortes pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). Segundo o balanço, a taxa de letalidade da doença caiu para 3,1%, enquanto o índice de mortalidade subiu para 56,9 pessoas por cada 100 mil habitantes.

Nas últimas 48 horas, o total de infectados no país chegou a 3.847.739, com a média móvel de casos em sete dias subindo a 40.039. Já a de mortes apresentou queda e é de 888. A taxa de incidência também aumentou e passou de 1.789,9 para 1.814,3 indivíduos para 100 mil cidadãos.

Apesar de São Paulo ser considerado o epicentro da doença, hoje, o governador João Doria afirmou que o Estado já superou o pior momento da pandemia.