Brasil vive maior colapso sanitário da história, diz Fiocruz

Arquivado em: Brasil, Manchete, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 17 de março de 2021 as 10:49, por: CdB

 

Um boletim divulgado na noite de terça-feira pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), instituição ligada ao governo federal, aponta que o Brasil vive o maior colapso sanitário e hospitalar de sua história.

Por Redação, com ANSA – de Brasília

Um boletim divulgado na noite de terça-feira pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), instituição ligada ao governo federal, aponta que o Brasil vive o maior colapso sanitário e hospitalar de sua história.

Protesto contra falta de leitos de UTI na entrada do Ministério da Saúde, em Brasília

Segundo o levantamento da Fiocruz, 25 das 27 unidades federativas do país têm índices de ocupação de leitos de UTI para covid-19 no Sistema Único de Saúde (SUS) iguais ou superiores a 80%, ou seja, em patamar crítico.

Além disso, em 15 Estados o índice de ocupação é igual ou maior a 90%. As unidades federativas em pior situação são Rio Grande do Sul (100%), Santa Catarina (99%), Rondônia (98%), Goiás (97%) e Distrito Federal (97%).

Os únicos dois Estados com índice de ocupação de UTIs abaixo de 80% também não estão em condição confortável: Rio de Janeiro, com 79%, e Roraima, com 73%, na semana passada, o Brasil tinha sete unidades federativas com índices abaixo de 80%.

“A análise chama atenção para indicadores que apontam uma situação extremamente crítica em todo o país. Na visão dos pesquisadores que a realizam, trata-se do maior colapso sanitário e hospitalar da história do Brasil”, diz a Fiocruz.

Ocupação de UTIs

Ainda segundo a fundação, 25 das 27 capitais brasileiras estão com taxas de ocupação de UTIs de covid-19 superiores a 80%, sendo 19 delas acima de 90%. Aquelas em pior situação são Porto Alegre (103%, ou seja, com fila de espera), Cuiabá (100%), Porto Velho (100%), Rio Branco (100%), Palmas (98%), Curitiba (98%), Florianópolis (98%) e Teresina (98%).

“A fim de evitar que o número de casos e mortes se alastrem ainda mais pelo país, assim como diminuir as taxas de ocupação de leitos, os pesquisadores defendem a adoção rigorosa de ações de prevenção e controle, como o maior rigor nas medidas de restrição às atividades não essenciais”, acrescenta a Fiocruz.

O Brasil registrou na terça-feira um recorde de 2.841 mortes por covid-19 em 24 horas, segundo o Ministério da Saúde, elevando o total de vítimas para 282.127. Ainda assim, o novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, indica que vai dar “continuidade” às políticas do governo Bolsonaro na pandemia.