Brasil vive nova décadas perdida, em meio a golpe de Estado e pandemia

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado domingo, 25 de outubro de 2020 as 13:59, por: CdB

O relatório aponta que a taxa de investimento deve terminar a década com recuo médio anual de 2,2%. A última vez que isso ocorreu foi ao longo da década de 1980, conhecida como “década perdida”.

Por Redação – de São Paulo

Um golpe de Estado seguido da eleição do mandatário neofascista Jair Bolsonaro (sem partido), culminando com uma pandemia de proporções catastróficas para a economia, o Brasil está diante de uma nova década perdida. É o que constata pesquisa do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre-FGV), divulgado neste domingo. O estudo mostra que a década entre 2011 e 2020 deve ser a primeira com queda de investimentos desde os anos 1980.

Os números do BC apontam para uma recessão de 2% para este ano, enquanto que maioria dos bancos já trabalha com índice de 5%
Os números da FGV revelam que a economia brasileira está em meio à pior crise em mais de 40 anos

O relatório aponta que a taxa de investimento deve terminar a década com recuo médio anual de 2,2%. A última vez que isso ocorreu foi ao longo da década de 1980, conhecida como “década perdida”. A mesma FGV já mostrou anteriormente que a década atual terá o pior resultado do Produto Interno Bruto (PIB) dos últimos 120 anos.

Pandemia

Segundo a FGV, o desempenho ruim nos investimentos teve início em 2014, se aprofundou com a recessão até 2016, ensaiou recuperação leve até o ano passado e, com a pandemia da covid-19, voltou a cair junto com o PIB. A atual projeção do relatório de mercado Focus, do Banco Central, é de que o PIB cairá 5% neste ano.

Ainda segundo o estudo da FGV, que utiliza uma projeção do Banco Central para calcular o investimento de 2020, o indicador registrará queda de 6,6% neste ano. A pesquisa aponta também que mesmo sem a pandemia o nível de investimento seria considerado baixo para a década. As projeções anteriores apontavam alta de 4,1% para 2020, o que colocaria a década sob queda média de 1,2% ao ano no indicador.