Brasileira é morta ao salvar filha de ataque na Alemanha

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 28 de junho de 2021 as 11:51, por: CdB

A professora brasileira de alemão Christiane H., de 49 anos, é uma das três mulheres que foram mortas num atentado a faca na cidade alemã de Würzburg, na última sexta-feira. Segundo o jornal alemão Bild, ela se jogou sobre a filha Akines, de 11 anos, quando o autor do atentado, um homem da Somália, avançou sobre ambas.

Por Redação, com DW – de Berlim

A professora brasileira de alemão Christiane H., de 49 anos, é uma das três mulheres que foram mortas num atentado a faca na cidade alemã de Würzburg, na última sexta-feira.

Professora de alemão consegue salvar a vida da filha de 11 anos, mas não resiste a graves ferimentos em ataque a faca ocorrido na cidade de Würzburg

Segundo o jornal alemão Bild, ela se jogou sobre a filha Akines, de 11 anos, quando o autor do atentado, um homem da Somália, avançou sobre ambas.

Uma mulher de 82 anos que estava no local puxou o agressor para longe da criança e acabou ela mesma sendo morta, relatou o diário. A criança conseguiu se libertar e correu para longe, gritando “Eu ainda não quero morrer”, segundo o jornal. Ela sobreviveu com ferimentos graves.

Christiane e a filha chegaram no início do ano à Alemanha, onde a brasileira começaria a dar aula numa escola de Würzburg, uma cidade no sul do país. Segundo a polícia, elas moravam nos arredores de Würzburg.

– A filha sabe que a mãe morreu. O pai ainda está no Brasil. Tudo o que Akines quer é que o pai venha para cá – disse uma amiga da brasileira ao Bild.

O crime

O crime aconteceu na sexta-feira passada, quando um homem da Somália, de 24 anos, atacou pessoas com uma faca num centro de compras de Würzburg, a cerca de 120 quilômetros de Frankfurt. Ele matou três mulheres e feriu outras sete pessoas.

As motivações do atentado ainda não estão claras, disseram as autoridades, que investigam uma possível motivação terrorista bem como um histórico de transtornos mentais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code