Brasileiro será um dos 13 árbitros assistentes de vídeo da Copa de 2018

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Futebol, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 30 de abril de 2018 as 11:08, por: CdB

Os assistentes de vídeo auxiliam o árbitro principal, sempre que solicitado, revendo a jogada através de imagens. Essa será a primeira Copa do Mundo que contará com a tecnologia

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro/Moscou:

O brasileiro Wilton Sampaio está entre os 13 árbitros que atuarão como assistentes de vídeo nas partidas da Copa do Mundo 2018, a ser realizada de junho a julho na Rússia. Ele foi selecionado pela Federação Internacional de Futebol (Fifa) junto com juízes de futebol de outros nove países.

Brasileiro será um dos 13 árbitros assistentes de vídeo

Os assistentes de vídeo auxiliam o árbitro principal, sempre que solicitado; revendo a jogada através de imagens. Essa será a primeira Copa do Mundo que contará com a tecnologia.

Os outros assistentes de vídeo escolhidos foram Abdulrahman Al Jassim (do Catar); Bastian Dankert e Felix Zwayer (ambos da Alemanha), Danny Makkelie (Holanda); Artur Soares Dias e Bruno Tiago Martins Lopes (ambos de Portugal), Daniele Orsato, Paolo Valeri e Massimiliano Bolirrati (os três da Itália), Pawel Gil (Polônia), Mauro Vigliano (Argentina) e Gery Vargas (Bolívia).

Além deles, qualquer um dos 36 árbitros principais ou 63 auxiliares já selecionados poderão ser escalados para atuar como assistentes de vídeo em uma das partidas.

O representante brasileiro no quadro de árbitros principais é Sandro Ricci. Já os bandeiras escolhidos são Emerson de Carvalho e Marcelo Van Gasse.

VAR torna vida dos árbitros mais justa

Massimo Busacca ainda lembra de suas noites em claro. O diretor de arbitragem da Fifa foi árbitro por 15 anos e ainda lembra quanto sofrimento e auto questionamento estes profissionais enfrentam depois de um desempenho ruim.

– Para entender o que é a vida de um árbitro, tente ser um uma vez – disse o suíço em entrevista à agência inglesa de notícias Reuters. “Tente, só para ver o que significa cometer um erro sério; e ser assassinado pela mídia no dia seguinte”.

– Só eu sei quantas horas passei olhando para o teto, sem dormir, por causa do meu erro… e se; que uma única decisão pode mudar sua vida – acrescentou.

Erro

Busacca disse que “um jogador pode ser muito ruim durante 89 minutos; aí ele marca um gol e de repente é um herói. Um árbitro pode ser o melhor do mundo durante 89 minutos, aí comete um erro e é assassinado”.

Para Busacca, o árbitro de vídeo (VAR) que será usado na Copa do Mundo deste ano na Rússia; para auxiliar os árbitros é uma rede de segurança mais que necessária que pode acabar com o purgatório dos juízes.

– Peço que nos deixem usar o VAR nestes momentos – disse ele à agência inglesa de notíciasReuters na lateral de um campo de treinamento de árbitros europeus; e africanos que apitarão partidas na Rússia. “Nossas carreiras e nossas vidas têm que mudar, têm que ser mais justas”.

Copas do Mundo

Busacca, cuja própria carreira incluiu duas Copas do Mundo e uma final de Liga dos Campeões; lembra de apitar uma partida “importante” da Champions na qual houve um lance para expulsão; mas sem que tivesse certeza de qual jogador cometeu a falta.

Ele não tinha o VAR para ajudá-lo, então recorreu ao que lhe pareceu a melhor opção — e consultou os jogadores envolvidos.

– Eu disse ‘por favor, me digam quem cometeu a falta porque senão pode ser meu último jogo’ – contou. “Os jogadores foram muito justos… um deles admitiu e dei o cartão vermelho”.

Busacca disse que, sem o VAR, os jogadores descobrem rapidamente o; que os replays da televisão mostram; enquanto o árbitro continua no escuro.

Jogadores

– Os jogadores recebem informação de fora do campo. Membros da equipe assistem à partida em um iPad, ou o técnico recebe um SMS – disse.

Com o sistema VAR, um árbitro treinado com acesso a um monitor de vídeo, e em comunicação constante com a principal autoridade da partida, verifica decisões que podem decidir o rumo do jogo.

Uma das queixas mais frequentes é que incidentes demais estão sendo revistos, mas Busacca disse que a última coisa que um árbitro quer é consultar o VAR.

 – Como qualquer pessoa, os árbitros não gostam de saber que cometeram um erro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *