Brexit: Reino Unido fortalecerá ajuda a setor financeiro

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 28 de outubro de 2019 as 11:22, por: CdB

As empresas financeiras do Reino Unido perderão o acesso direto e irrestrito aos investidores dentro do bloco após o Brexit, e, em vez disso, terão que utilizar o sistema de equivalência da UE.

Por Redação, com Reuters – de Londres

O Reino Unido fará o possível para garantir que seu setor financeiro continue sendo um importante participante global após o Brexit, disse o ministro das Finanças britânico, John Glen, nesta segunda-feira.

As empresas financeiras do Reino Unido perderão o acesso direto e irrestrito aos investidores dentro do bloco após o Brexit, e, em vez disso, terão que utilizar o sistema de equivalência da UE
As empresas financeiras do Reino Unido perderão o acesso direto e irrestrito aos investidores dentro do bloco após o Brexit, e, em vez disso, terão que utilizar o sistema de equivalência da UE

– Vamos dar o melhor dos nossos esforços para ajudá-los a florescer – disse Glen em uma conferência em Londres, acrescentando que as receitas do setor financeiro foram fundamentais para a capacidade do Reino Unido de financiar serviços de saúde, a polícia e o desenvolvimento regional.

As empresas financeiras do Reino Unido perderão o acesso direto e irrestrito aos investidores dentro do bloco após o Brexit, e, em vez disso, terão que utilizar o sistema de equivalência da UE.

Sob esse sistema, Bruxelas concede acesso ao mercado apenas se considerar que as regras de uma empresa financeira estrangeira são rigorosas o suficiente para garantir que os clientes da UE estejam bem protegidos. Glen disse que o Reino Unido está pronto para começar a negociar equivalências em áreas-chave com a UE assim que o Brexit acontecer.

A UE concordou nesta segunda-feira com um adiamento flexível de três meses para a saída britânica, até 31 de janeiro, depois de o primeiro-ministro Boris Johnson ser obrigado a solicitar uma prorrogação do prazo após parlamentares rejeitarem a sequência da ratificação do acordo de divórcio definida com Bruxelas.

O Reino Unido disse que não quer ser um receptor permanente das regras da União Europeia para manter o acesso ao mercado financeiro do bloco, e Glen disse que a questão é como encontrar um “mecanismo duradouro” que reconheça que mudanças nas regras podem ocorrer nos dois lados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *