Brigitte Bardot causa polêmica ao condenar ‘islamização’ da França

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado domingo, 11 de maio de 2003 as 13:11, por: CdB

Brigitte Bardot, ex-deusa do cinema francês e atual ativista pelos direitos dos animais, teria criticado a “islamização da França” em seu mais novo livro, segundo a edição do último sábado (10) do tablóide France Soir.

O jornal afirma que Bardot, multada duas vezes por incitar o ódio racional, emite a opinião no livro Um Grito no Silêncio.
– Sou contra a islamização da França… Durante séculos nossos ancestrais, nossos avós, nossos pais deram suas vidas para repelir os sucessivos invasores da França – escreveu Bardot no livro, segundo o tablóide.

O comentário certamente vai criar polêmica na França, onde vivem cinco milhões de muçulmanos. O aumento do islamismo radical nas escolas já provocou um acalorado debate sobre o uso do tradicional véu muçulmano nas escolas seculares do país.

Muitos comentaristas franceses demonstraram preocupação no mês passado quando um grupo que segue o modelo dos fundamentalistas egípcios da Irmandade Islâmica recebeu um terço dos votos para o conselho nacional muçulmano, órgão criado para reunir grupos islâmicos rivais sob uma liderança moderada.

Defendendo seus comentários em entrevista para o France Soir, Bardot, 68, negou ser uma polemista:

– Sou uma mulher corajosa que diz o que pensa… Eles não vão me jogar na prisão, espero.

Em seu auge, nos anos 1960, Bardot foi o epítome da beleza feminina francesa. Mas após 46 filmes, ela deu as costas para o cinema e passou a se concentrar no bem-estar dos animais.

Acostumada à controvérsia, em janeiro de 1998 foi multada em 3.250 dólares por incitar o ódio racial com comentários sobre o massacre civil na Argélia. Quatro anos antes, um tribunal a multou pela declaração de que a França estava sendo tomada por muçulmanos exterminadores de carneiros.