Brumadinho: equipes fazem buscas por vítimas

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 5 de fevereiro de 2019 as 12:53, por: CdB

A corporação informou que, ao longo do dia, grupos fizeram buscas a pé, de barco e de helicóptero, além de usarem cães farejadores, escavadeiras, máquinas anfíbias e drones. Também foi autorizada a atuação de voluntários.

Por Redação, com ABr – de Brasília

O tempo firme em Brumadinho (MG) na manhã desta terça-feira permitiu que os trabalhos na região onde a barragem da mineradora Vale se rompeu começassem cedo. De acordo com o Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, as equipes em terra e as aeronaves já estão em campo.

Brumadinho tem tempo firme; equipes fazem buscas

A corporação informou que, ao longo do dia, grupos fizeram buscas a pé, de barco e de helicóptero, além de usarem cães farejadores, escavadeiras, máquinas anfíbias e drones. Também está autorizada a atuação de voluntários.

A movimentação de helicópteros nas imediações do cemitério de Brumadinho será interrompida por volta de 11h30 por causa de um sepultamento agendado para o meio-dia. O pedido da interrupção dos trabalhos aéreos, de acordo com o corpo de bombeiros, foi feito pela família.

Na segunda-feira, o tempo instável e a chuva no município suspenderam os trabalhos durante parte da manhã.

Comitês

Dois comitês foram formados pela mineradora Vale para atuar nos desdobramentos do rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão. Um grupo será de apoio e reparação e o outro, de apuração do acidente. Cada um com cinco membros.

O Comitê Independente de Assessoramento Extraordinário de Apuração será coordenado pela ex-ministra do Supremo Tribunal Federal, Ellen Gracie, que também atua como presidente dos comitês especiais de investigação da Petrobras e da Eletrobras.

Outros membros são Jean-Pierre Paul Rémy, que prestou consultoria para o Ministério Público Federal (MPF) durante o rompimento da barragem da Samarco, em Mariana; José Francisco Compagno; Isabella Saboya de Albuquerque; e Eduardo de Oliveira Rodrigues Filho, que é membro dos comitês Financeiro e de Sustentabilidade da Vale.

Já o Comitê de Assessoramento Extraordinário de Apoio e Reparação será coordenado por Leonardo Pereira, que foi presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), de 2012 a 2017.

Também compõem o comitê Ana Cristina Barros, Márcio Gagliato, Sandra Guerra e Marcel Juviniano Barros, membro do Conselho de Administração da Vale.

Suporte psicossocial às vítimas

O governo de Minas Gerais informou nesta terça-feira que a Defensoria Pública do Estado está oferecendo suporte psicossocial aos sobreviventes da tragédia ocorrida no dia 25 de janeiro em Brumadinho, Minas Gerais, com o rompimento da barragem de rejeitos da Mina Córrego do Feijão,  pertencente à Vale.

Psicólogas e assistentes sociais trabalham no acolhimento das famílias e da comunidade, tanto em Brumadinho quanto em visitas técnicas à Academia de Polícia Civil (Acadepol), local em que é feito o cadastro com informações pessoais e dados dos desaparecidos, além do atendimento médico e multidisciplinar pela Secretaria Estadual de Saúde.

Segundo nota do governo estadual, profissionais da Coordenadoria Técnica do Setor Psicossocial da Defensoria Pública e de outros setores fazem um trabalho de articulação com a Secretaria de Saúde para o encaminhamento para atendimento, conforme a especificidade da demanda.

– A assistência psicossocial às pessoas é uma das prioridades da saúde estadual. Nossa equipe está trabalhando para articular e apoiar a rede de atenção do município, buscando atender às necessidades emergenciais dos afetados e prevenir os transtornos de estresse pós-traumático, muito comuns nessas situações – explica na nota, o assessor estratégico da secretaria, Bernardo Ramos.

A coordenadora de Saúde Mental da Secretaria de Saúde, Juliana Ávila, ressaltou que os atendimentos também estão sendo feitos em regime de plantão. “Durante o dia, as pessoas são atendidas no Centro de Atendimento Psicossocial (CAPS) do município. À noite e no fim de semana, o atendimento é no Hospital Municipal João Fernandes do Carmo. Quando o caso é de urgência, o atendimento éna UPA, onde um médico psiquiatra fica de sobreaviso. As crianças e os adolescentes são atendidos no CAPS”, informou Juliana.

O apoio psicossocial às famílias que chegam ao Instituto Médico-Legal (IML) de Belo Horizonte em busca de notícias dos parentes, ou para o reconhecimento de corpos, está sendo prestado por equipes estaduais do Hospital Eduardo de Menezes, em parceria com o Conselho Regional de Psicologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *