Câmara aprova regras para inquérito de impeachment contra Trump

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 31 de outubro de 2019 as 13:51, por: CdB

Os democratas na Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovaram nesta quinta-feira uma resolução que estabelece os próximos passos no processo.

Por Redação, com Reuters – de Washington

Os democratas na Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovaram nesta quinta-feira uma resolução que estabelece os próximos passos no processo de impeachment contra o presidente norte-americano, Donald Trump.

Câmara dos Deputados dos Estados Unidos
Câmara dos Deputados dos Estados Unidos

A votação é o primeiro teste formal de apoio para o inquérito que a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, lançou no dia 24 de setembro. A investigação se concentra sobre se Trump pressionou a Ucrânia a ajudar sua campanha à reeleição em 2020, acusação que ele nega.

Depoimento de impeachment

Um ex-parlamentar republicano que virou lobista pressionou repetidamente pela demissão da embaixadora norte-americana na Ucrânia Marie Yovanovitch, medida tomada posteriormente pelo presidente Donald Trump após orientação de seu advogado pessoal Rudy Giuliani, disse uma diplomata dos Estados Unidos em depoimento na quarta-feira.

Catherine Croft e Christopher Anderson, especialistas em Ucrânia no Departamento de Estado, tornaram-se as mais recentes autoridades antigas e atuais dos EUA convocadas como testemunhas em inquérito de impeachment liderado pelos democratas contra o presidente republicano na Câmara dos Deputados.

Croft, que depôs por cerca de cinco horas após ser intimada, disse que foi integrante da equipe do Conselho de Segurança Nacional (NSC, na sigla em inglês) da Casa Branca de julho de 2017 a julho de 2018.

– Durante meu período no NSC, recebi vários pedidos do lobista Robert Livingston, que me disse que a embaixadora Yovanovitch deveria ser demitida. Ele caracterizava a embaixadora Yovanovitch como uma ‘remanescente de Obama’ e associada a George Soros – afirmou Croft na declaração de abertura aos legisladores, publicada online pelo Washington Post.

– Não estava claro para mim na época -ou agora- em que direção ou a que custo o sr. Livingston estava buscando a destituição da embaixadora Yovanovitch – disse Croft.

Soros é um rico investidor, muitas vezes atacado por conservadores e conhecido por seu apoio a causas liberais. Barack Obama, do Partido Democrata, foi o antecessor de Trump.

O inquérito de impeachment concentra-se em uma ligação telefônica de 25 de julho, na qual Trump pediu ao presidente ucraniano, Volodymr Zelenskiy, para investigar o rival político democrata Joe Biden, ex-vice-presidente dos EUA, e seu filho Hunter, que havia atuado como diretor da empresa de energia ucraniana Burisma. Trump nega irregularidades.

Trump demitiu abruptamente Yovanovitch em maio, depois que aliados do presidente levantaram acusações não comprovadas de deslealdade e outras alegações contra ela.

Ucrânia

O depoimento revelou um papel anteriormente desconhecido na controvérsia da Ucrânia desempenhado por Livingston, que teve um papel proeminente no esforço de impeachment liderado pelos republicanos do presidente democrata Bill Clinton nos anos 1990.

Livingston era mais um republicano entre figuras importantes a advogarem contra Yovanovitch, incluindo o filho de Trump Donald Trump Jr., Giuliani e o ex-congressista Pete Sessions.