Câmara dos Representantes dos EUA reconhece genocídio armênio

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 30 de outubro de 2019 as 10:54, por: CdB

Deputados norte-americanos aprovam com maioria esmagadora resolução que reconhece como genocídio o massacre de armênios por otomanos na Primeira Guerra. Em resposta, Turquia convoca embaixador dos EUA em Ancara.

Por Redação, com DW – de Washington

A Câmara dos Representantes dos EUA aprovou nesta quarta-feira uma resolução reconhecendo como genocídio o extermínio em massa da minoria armênia pelo Império Otomano durante e depois da Primeira Guerra Mundial. Em protesto, a Turquia convocou o embaixador dos Estados Unidos em Ancara.

Descendentes de armênios nos EUA lembram genocídio, em abril de 2019
Descendentes de armênios nos EUA lembram genocídio, em abril de 2019

Os legisladores norte-americanos aprovaram o texto com uma maioria esmagadora de 405 votos entre 435 deputados, numa rara união entre democratas e republicanos, com apenas 11 votos contrários.

O genocídio armênio é reconhecido por historiadores e por cerca de 30 países, incluindo Alemanha, França e Itália. Em 2015, o Senado brasileiro aprovou uma resolução reconhecendo o uso do termo genocídio.

As estimativas apontam que até 1,5 milhão de armênios foram mortos no início do século 20 por tropas do Império Otomano, que lutou na Primeira Guerra Mundial ao lado da Alemanha e do Império Austro-Húngaro.

A resolução estipula que faz parte da política dos EUA “lembrar o Genocídio Armênio, o massacre de 1,5 milhão de armênios pelo Império Otomano entre 1915 e 1923”, como também “rejeitar esforços para associar o governo dos EUA à negação da existência do Genocídio Armênio ou de qualquer genocídio” e “encorajar a educação e a compreensão pública sobre o Genocídio Armênio.”

Ancara rejeita veementemente o uso do termo genocídio para descrever a expulsão em massa e os assassinatos de armênios pelo Império Otomano, do qual a Turquia é o Estado sucessor.

Em declaração divulgada pela agência estatal de notícias Anadolu, o ministério do Exterior da Turquia rechaçou a resolução, dizendo que “ela foi aparentemente elaborada e aprovada para fins domésticos” e chamou a medida de “passo político sem sentido”, tendo como “únicos destinatários o lobby armênio e grupos antiturcos”.

De maioria muçulmana, o atual Estado turco admite que cristãos armênios morreram em combates com soldados otomanos a partir de abril de 1915, durante a Primeira Guerra Mundial, e que isso não pode ser chamado de genocídio.

Embaixador convocado

O embaixador David Satterfield foi convocado pelo Ministério do Exterior turco devido “à decisão desprovida de base jurídica ou histórica tomada pela Câmara dos Representantes” dos Estados Unidos, informaram autoridades turcas.

A convocação do embaixador David Satterfield está igualmente ligada à adoção na terça-feira pela Câmara dos Representantes de um texto que prevê sanções contra as autoridades turcas ligadas à atual ofensiva na Síria, disseram as mesmas fontes.

O reconhecimento do “genocídio”, bem como a adoção de um texto sobre a ofensiva turca na Síria, ocorre no momento em que as relações entre Washington e Ancara, dois integrantes da Otan, estão passando por uma grande turbulência.

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, afirmou que a aprovação da resolução foi uma “vingança” pela investida de Ancara no norte da Síria, há duas semanas. “Aqueles cujos projetos foram frustrados recorrem a antiquadas resoluções”, tuitou Cavusoglu.

“Voto histórico”

Nesta quarta-feira, o primeiro-ministro da Armênia aplaudiu o “voto histórico” da Câmara dos Representantes dos EUA, que reconheceu pela primeira vez numa resolução o genocídio armênio no início do século 20.

– A resolução 296 é um passo corajoso no caminho para a verdade e para a justiça histórica que também oferece conforto a milhões de descendentes dos sobreviventes do genocídio armênio – afirmou Nikol Pashinián, em mensagem divulgada pelo Twitter.

O governante também felicitou os membros da diáspora armênia nos Estados Unidos e os demais representantes armênios espalhados pelo mundo, cujo ativismo e perseverança serviram de “força motriz e de inspiração” para este “voto histórico”.

Estima-se que nos EUA vivam entre 500 mil e 1,5 milhões de pessoas com origens armênias, como a celebridade Kim Kardashian.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *