Câmara faz primeira votação do inquérito de impeachment de Trump

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 31 de outubro de 2019 as 10:59, por: CdB

Parlamentares dos Estados Unidos devem realizar nesta quinta-feira sua primeira votação do inquérito de impeachment do presidente Donald Trump.

Por Redação, com Reuters – de Washington

Parlamentares dos Estados Unidos devem realizar nesta quinta-feira sua primeira votação do inquérito de impeachment do presidente Donald Trump, já que a Câmara dos Deputados controlada pelos democratas adotará uma medida que estabelece os próximos passos da iniciativa.

Presidente dos EUA, Donald Trump, durante cúpula do G7
Presidente dos EUA, Donald Trump, durante cúpula do G7

A votação será o primeiro teste formal do apoio à investigação. Os democratas, que ocupam 224 das 435 cadeiras da Câmara, só precisam de uma maioria simples para aprovar a resolução.

A medida pede audiências públicas e a divulgação de transcrições de procedimentos realizados a portas fechadas, e também delineia que direitos os parlamentares republicanos e o próprio Trump terão de participar à medida que o processo avança.

Republicanos acusam democratas de desrespeitar os direitos de Trump e de manterem o processo sigiloso demais.

A Constituição dos EUA dá à Câmara uma autoridade ampla para determinar as regras básicas de um inquérito de impeachment, e os democratas dizem que estão seguindo as regras da Câmara para as investigações. Eles prometeram realizar audiências públicas no caso contra Trump.

Os parlamentares que lideram a investigação também planejam ouvir um depoimento a portas fechadas de Tim Morrison, principal especialista em Rússia do Conselho de Segurança Nacional de Trump. Morrison renunciou ao cargo que ocupava na quarta-feira, disse um funcionário de alto escalão do governo.

Membros dos três comitês que realizam a investigação esperam que Morrison forneça mais detalhes sobre as negociações de Trump com a Ucrânia. Como Morrison se envolveu diretamente nas negociações, seu depoimento pode servir como contraponto a acusações dos colegas republicanos de Trump de que até agora o inquérito se baseou principalmente em relatos de segunda mão.

Casa Branca

Membros dos comitês convidaram uma figura muito mais importante, o ex-conselheiro de Segurança Nacional John Bolton, para depor na semana que vem. Houve quem dissesse que Bolton ficou alarmado com um esforço da Casa Branca para pressionar o presidente ucraniano a investigar rivais políticos de Trump.

Se a Câmara pedir um impeachment, só será necessária uma maioria simples para desencadear um julgamento no Senado, este comandado pelos republicanos. Uma condenação exigiria o apoio de uma maioria de dois terços do organismo de 100 integrantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *