Caminhão carregado com vacinas é roubado no Rio

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 5 de abril de 2019 as 13:09, por: CdB

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, fez um apelo à população para que, se a carga for encontrada, seja devolvida à prefeitura.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

Um caminhão carregado com quase 15 mil doses de vacina destinadas à rede municipal de saúde da cidade do Rio de Janeiro foi roubado na manhã desta sexta-feira. A carga, estimada em R$ 1,5 milhão, tinha doses de imunização contra a gripe e outras doenças, além de outros materiais médicos.

Vacinas distribuídas pelo Ministério da Saúde

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, fez um apelo à população para que, se a carga for encontrada, seja devolvida à prefeitura.

– Isso traz um prejuízo enorme para a nossa rede municipal de saúde, sobretudo porque agora estamos na véspera de campanha de vacinação contra a gripe. Para receber um novo material, vai demorar – disse.

A carga foi enviada pelo Ministério da Saúde para a rede pública do município do Rio de Janeiro.

Comércio ilegal de arma

A Justiça do Rio aceitou nova denúncia contra os acusados de envolvimento na morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, crime ocorrido no dia 14 de março do ano passado. Além da ação de homicídio triplamente qualificado, o sargento da Polícia Militar reformado Ronnie Lessa vai responder também pelo crime de comércio ilegal de arma de fogo e o ex-policial militar Élcio Queiroz, por posse ilegal de arma de uso restrito.

O novo processo contra Lessa, apontado pelo Ministério Público estadual como o autor dos disparos contra a vereadora, é resultado da apreensão de 117 componentes de fuzil, acessórios como miras e supressores de ruído, além de mais de 360 munições e uma arma calibre 22 na casa de Alexandre Motta de Souza, 48 anos, que é amigo de infância do sargento, que já morou no mesmo condomínio no bairro do Méier, na zona norte da cidade, onde os componentes das armas foi localizado.

O próprio Lessa, ao ser interrogado, admitiu que o material era dele. Souza, que também está com a prisão preventiva decretada, passa a ser réu na mesma ação que o sargento, acusado de posse ilegal de arma de fogo. O processo contra os dois será julgado pela 40ª Vara Criminal do Rio. Souza agiu como uma espécie de “laranja” de Lessa e guardou o armamento em casa para atender a um pedido do amigo.

A denúncia contra o ex-policial militar Élcio Queiroz foi distribuída para a 32ª Vara Criminal. Durante a operação policial feita na madrugada do dia 12 de março, a polícia encontrou, dentro do armário do quarto da casa dele, uma pistola Glock, calibre ponto 380, com cinco carregadores e 46 munições; e uma outra pistola, Taurus, calibre ponto 40, com três carregadores e 72 munições, de uso proibido ou restrito.

De acordo com a denúncia, no carro usado por Queiroz na hora da prisão, um Renault Logan de cor prata, foram encontradas, embaixo do banco do carona, oito munições de fuzil, calibre ponto 556, embaladas em saco plástico, também de uso proibido ou restrito.

Na semana passada, Lessa e Queiroz foram transferidos do Rio de Janeiro para o presídio federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, a pedido da Justiça.

Os advogados de Ronnie Lessa e Elcio Vieira de Queiroz negam o envolvimento de seus clientes no assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *