Caminhoneiros se unem aos grevistas e bloqueiam estradas francesas

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 7 de dezembro de 2019 as 14:56, por: CdB

A pressão combinada do movimento dos coletes amarelos sobre o custo de vida e dos protestos sindicais contra a reforma da Previdência são um grande desafio para as iniciativas do presidente francês, Emmanuel Macron.

 

Por Redação, com Reuters – de Paris

 

Caminhoneiros bloquearam estradas em cerca de 10 regiões da França neste sábado para protestar contra a redução de isenções fiscais sobre o diesel para o transporte rodoviário, enquanto os serviços de trens e metrô continuavam fortemente afetados pela greve contra a reforma da Previdência no país. A polícia tem agido com truculência contra os manifestantes, nas últimas semanas, causando ferimentos em centenas de pessoas.

A polícia de Macron tem agido com truculência contra os manifestantes e já deixou centenas de feridos
A polícia de Macron tem agido com truculência contra os manifestantes e já deixou centenas de feridos

Em Paris, na área residencial de Denfert Rochereau, houve conflitos com a polícia enquanto os chamados “coletes amarelos” continuavam suas manifestações. Os números, no entanto, eram relativamente menores em comparação com as semanas anteriores, à medida que a greve de transportes dificultou a chegada à capital.

A pressão combinada do movimento dos coletes amarelos sobre o custo de vida e dos protestos sindicais contra a reforma da Previdência são um grande desafio para as iniciativas do presidente francês, Emmanuel Macron, de equilibrar o orçamento e ainda introduzir legislação voltada à preservação ambiental na segunda metade de seu mandato.

Fúria

A federação de caminhoneiros Otre (Organização dos Transportadores Rodoviários Europeus) disse que era contra o aumento dos impostos sobre o diesel para veículos comerciais como parte do projeto de orçamento do governo para 2020.

— Nosso movimento é um movimento de fúria contra a punição fiscal continuada do transporte rodoviário, que não podemos mais tolerar — resumiu Alexis Gibergues, presidente da Otre na região francesa de Ile-de-France, nos arredores de Paris, no canal de televisão LCI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *