Caneta de Bolsonaro fica sem tinta e Mandetta permanece no cargo

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 6 de abril de 2020 as 20:53, por: CdB

Mourão e os ministros militares, entre eles o chefe da Casa Civil, general Walter Souza Braga Netto, conversaram com o presidente e o alertaram para o risco de se indispor com a maioria do país.

Por Redação – de Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), sob a pressão de ‘panelaços’ que se disseminaram por todo o país; freio na alta expressiva da Bolsa de Valores e telefonemas de representantes dos outros Poderes da República, manteve no cargo o ministro da Saúde, Henrique Mandetta. Desmoralizado ao voltar atrás na ameaça de demissão do médico sul-matogrossense, Bolsonaro reuniu-se com o ministro e os generais que mandam no governo. No final da tarde, pouco antes do encontro de Bolsonaro com ministros, entre eles Henrique Mandetta, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) já adiantava que “o ministro fica no cargo”.

Na véspera, em um vídeo disseminado pela internet, Bolsonaro falava a evangélicos sobre sua intenção de demitir ministros, sem citar Mandetta, nominalmente, que se tornaram “estrelas”. O mandatário neofascista acrescentou que não tinha medo, “ou pavor”, de usar “a caneta”, supostamente com tinta suficiente para assinar a demissão de seus supostos comandados.

Bolsonaro se atrapalha na hora de vestir a máscara higiênica, ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta
Bolsonaro se atrapalha na hora de vestir a máscara higiênica, ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

Mourão e os ministros militares, entre eles o chefe da Casa Civil, general Walter Souza Braga Netto, conversaram com o presidente e o alertaram para o risco de se indispor com a maioria do país. Seria esta a forma mais rápida de abreviar o próprio mandato, segundo apurou a reportagem do Correio do Brasil junto a fontes próximas ao acontecimento, no Palácio do Planalto. O ambiente de tensão entre o chamado ‘Gabinete do Ódio’, comandado por Carlos Bolsonaro, vereador do PSC-RJ e segundo filho do mandatário, conhecido como ’02’, e o núcleo militar do governo, a cargo de Braga Netto, ficou evidente na gravidade do tom no telefonema entre os presidentes do Executivo e do Congresso, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP)

Não apenas o presidente do Congresso, mas da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), fizeram saber que a eventual demissão de Mandetta desagradaria, profundamente, o Legislativo. Na mesma toada, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Tóffoli, também ligou para Bolsonaro, alertando-o do risco que seria descumprir as orientações da Organização Mundial da Saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *