Carrefour amplia investimentos em comércio eletrônico

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 23 de janeiro de 2018 as 11:32, por: CdB

O Carrefour passou anos tentando reduzir sua dependência de hipermercados, particularmente na França, um modelo que já impulsionou seu negócio de lojas físicas

Por Redação, com Reuters – de Paris:

O novo presidente-executivo do Carrefour prometeu reduzir custos, aumentar o investimento em comércio eletrônico para enfrentar a concorrência da Amazon e abrir o capital do Carrefour China para investidores locais, como parte do plano de impulsionar o crescimento do segundo maior varejista do mundo.

Carrefour amplia investimentos em comércio eletrônico para enfrentar Amazon

No Brasil, o grupo varejista francês pretende acelerar a expansão do modelo de lojas atacarejo, com a abertura de 20 novas lojas do Atacadão por ano a partir de 2018, incluindo a conversão de 5 hipermercados neste ano.

O presidente-executivo do Carrefour, Alexandre Bompard, no comando apenas desde julho e encarregado de impulsionar o fluxo de caixa, prometeu investir 2,8 bilhões de euros (US$ 3,4 bilhões) no comércio digital até 2022, seis vezes o montante atual, já que o Carrefour quer se tornar mais competitivo no varejo online.

Sob pressão para aumentar o lucro, Bompard também anunciou economia de custos de 2 bilhões de euros até 2020; incluindo um plano de demissão voluntária para 2,4 mil funcionários em sua sede francesa.

– Devemos renovar o nosso modelo ao simplificar nossa organização; abrindo-nos a parcerias, melhorando a nossa eficiência operacional; e construindo um modelo eficiente de omnichannel (integração das lojas físicas e online) – disse Bompard em comunicado.

O Carrefour passou anos tentando reduzir sua dependência de hipermercados, particularmente na França; um modelo que já impulsionou seu negócio de lojas físicas. Mas está sob grande pressão do comércio eletrônico em meio ao aumento de gigantes online, como a Amazon.

Fnac

Ex-executivo da Fnac, Bompard revelou o plano depois que o Carrefour disse na semana passada; que seu lucro operacional em 2017 poderia cair 15 %  em meio a vendas fracas. Foi o segundo alerta de lucro em seis meses.

A rede varejista, maior do mundo depois do Wal-Mart, com mais de 380 mil funcionários; disse que busca participação de mercado de 20%  no comércio eletrônico de alimentos na França até 2022.

Na China, o Carrefour continua a registrar prejuízo em meio a uma concorrência feroz de atores locais e um mercado online dinâmico.

Em resposta, a Bompard anunciou a possível aquisição de uma participação no Carrefour China pela gigante de Internet Tencent e pelo varejista local Yonghui. O Carrefour continuaria sendo o maior acionista do Carrefour China.

Investidores e analistas

O plano de cinco anos do Carrefour foi bem recebido por investidores e analistas; que queriam que o varejista avançasse no comércio eletrônico depois que adquiriu uma participação no varejista de moda online Showroomprive.com neste mês.

O Carrefour é o maior empregador do setor privado na França; onde seu desempenho fraco pesou sobre a rentabilidade do grupo e a performance de suas ações. A França responde por 44 %  dos lucro operacional do grupo.

Almejando conquistar mais 1 milhão de clientes de produtos alimentícios frescos até 2022; o Carrefour disse que vai acelerar o crescimento em supermercados e lojas de conveniência e que vai melhorar a eficiência de seus hipermercados, inclusive reduzindo áreas de vendas. Não há previsão de fechamento de nenhum hipermercado.