Cassação da deputada Flordelis deve ser votada nesta semana

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 9 de agosto de 2021 as 13:44, por: CdB

A cassação da deputada federal Flordelis (PSD-RJ) deve entrar em pauta nesta semana na Câmara dos Deputados. O anúncio foi feito pelo presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), na manhã desta segunda-feira.

Por Redação, com Brasil de Fato – do Rio de Janeiro

A cassação da deputada federal Flordelis (PSD-RJ) deve entrar em pauta nesta semana na Câmara dos Deputados. O anúncio foi feito pelo presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), na manhã desta segunda-feira.

Deputada do PSD é ré na Justiça e responde por homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio, uso de documento falso e associação criminosa armada

– Temos uma semana intensa com (a votação da) reforma tributária, com a pauta da cassação ou não da deputada Flordelis (e) com o preparativo de outras matérias importantes – afirmou Lira, em entrevista à Rádio CBN.

De acordo com o colunista Lauro Jardim, do diário conservador carioca O Globo, a votação deverá acontecer nesta quarta-feira. No alto comando da Câmara não há dúvida que o plenário votará pela cassação de Flordelis.

Em junho, o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Federal aprovou o parecer que recomenda a cassação do mandato da deputada Flordelis. A parlamentar é acusada de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em 2019.

O placar da votação foi de 16 votos a um, com divergência do deputado Márcio Labre (PSL-RJ). Para o relator, deputado Alexandre Leite (DEM-SP), a morte foi resultado de uma disputa de poder entre Flordelis e Anderson. O pastor seria o “514º parlamentar” da Câmara, que possui 513 cadeiras.

O que diz a deputada?

Numa publicação em suas redes sociais no dia 5 de agosto, a parlamentar se manifestou sobre o processo de cassação.

– Confio que os Deputados e Deputadas não irão ceder a esses apelos sensacionalistas da mídia, mas farão uma votação justa, com base na democracia de nosso país que prega a garantia da presunção de inocência, onde uma pessoa não pode receber uma punição sem que antes seja julgada e condenada oficialmente, trâmites que sequer ocorreram até então.– escreveu.

Acusada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) e ré na Justiça por homicídio triplamente qualificado (uso de meio cruel, motivo torpe e que impossibilita a defesa da vítima), tentativa de homicídio, uso de documento falso e associação criminosa armada, Flordelis nega todas as acusações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code