Caucus de Iowa aponta futuro confuso para democratas

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020 as 11:39, por: CdB

A primeira disputa para decidir o candidato democrata para a eleição presidencial dos Estados Unidos deste ano, realizada em Iowa, foi ofuscada por problemas tecnológicos.

Por Redação, com Reuters – de Washington

A primeira disputa para decidir o candidato democrata para a eleição presidencial dos Estados Unidos deste ano, realizada em Iowa, foi ofuscada por problemas tecnológicos que impediram até o momento a divulgação de resultados, tirando dos concorrentes que se saíram bem um momento nos holofotes da mídia e permitindo que outros questionassem a legitimidade de seu desfecho.

Líder do Partido Democrata em Iowa, Troy Price, discursa antes de anunciar resultados do Caucus
Líder do Partido Democrata em Iowa, Troy Price, discursa antes de anunciar resultados do Caucus

Como consequência disso, é discutível quanto ímpeto o vencedor projetado, seja Pete Buttigieg ou Bernie Sanders, ou qualquer outro, terá na próxima primária de 11 de fevereiro em New Hampshire, onde os pré-candidatos já estão em campanha.

Veja como o caucus de Iowa afetou os mais bem colocados.

Bernie Sanders

O senador por Vermont foi amplamente visto como o pré-candidato favorito antes das primárias, e os primeiros relatos das zonas eleitorais não contradisseram isso , mas ele não teve seu momento de glória na noite de segunda-feira, o tipo de coisa que estimula narrativas políticas. E quando os resultados finalmente começaram a ser divulgados, mostraram Buttigieg à frente em equivalentes a delegados estaduais, e Sanders vencendo no voto popular.

Além disso, os apoiadores de Sanders também têm que se preocupar com o fato de que estatísticas sobre o comparecimento levaram a crer que o caucus não testemunhou uma nova leva de eleitores motivados pelo desejo de derrotar o presidente Donald Trump. Ao invés disso, parece que o comparecimento foi semelhante ao de 2016 e que Sanders e outros pré-candidatos não conseguiram ampliar o eleitorado estadual.

Mesmo assim, Sanders chega a New Hampshire como favorito e com a possibilidade de emergir como o mais bem colocado com folga.

Joe Biden

Para alguém que diz ser o pré-candidato democrata mais elegível, a quarta colocação apontada até agora é quase catastrófica, já que obrigará Biden a encarar novas dúvidas sobre sua viabilidade.

A campanha de Biden precisa torcer para que a nuvem escura sobre as primárias possa ter ofuscado um pouco o impacto de seu desempenho sofrível, e já se concentra nas disputas de Nevada e Carolina do Sul ainda neste mês, onde eleitorados ricos minoritários podem melhorar suas perspectivas.

Pete Buttigieg

Buttigieg, ex-prefeito moderado de 38 anos de South Bend, em Indiana, surpreendeu muitos com seu ótimo desempenho no Iowa, em parte graças ao seu apelo abrangente em todo o espectro político do partido e com faixas etárias diferentes.

Nos meses que antecederam as primárias, Buttigieg se esforçou especialmente para se promover no Iowa, onde teve uma organização de campanha forte.

Agora o desafio é usar esse sucesso para aumentar seu apelo junto a eleitores minoritários. Neste aspecto, o resultado ruim de Biden em Iowa pode ajudá-lo.

Elizabeth Warren

A senadora por Massachusetts conseguiu o que precisava: uma colocação entre os três primeiros, ao menos pelos números disponíveis no momento, o que reafirmou sua posição de pré-candidata de destaque. Mas ela está bem atrás de Buttigieg e Sanders, o que pode prenunciar um caminho duro rumo a New Hampshire e mais adiante.

O maior problema de Warren ainda é Sanders. Ela fica atrás dele em todos os locais onde ele é forte, e também pode ter perdido alguns eleitores de classe alta para Buttigieg nos subúrbios do Iowa.

Mas seu desempenho nesse Estado significa que ela pode levar o argumento de sua elegibilidade de forma convincente a New Hampshire.

Mike Bloomberg

As preocupações com o Iowa tornaram a decisão de Bloomberg de se ausentar desse caucus visionária. O ex-prefeito bilionário de Nova York está destinando recursos nunca vistos aos Estados da Super Terça-Feira, que concedem quase um terço dos delegados que ajudarão a selecionar o indicado democrata, e quanto mais nebulosos forem os resultados das primeiras disputas, mais isso ajuda sua pré-candidatura.

Visando explorar o caos, na terça-feira Bloomberg disse que dobrará imediatamente seus gastos já imensos com comerciais de televisão e que ampliará sua equipe para mais de 2.100 pessoas.

As dificuldades de Biden também podem dar a Bloomberg uma oportunidade de postular com mais ênfase que ele, e não o ex-vice-presidente, é o moderado que é a melhor alternativa para impedir a indicação de Sanders.

Donald Trump

Os tropeços do Partido Democrata em Iowa deram a Trump e seus colegas republicanos um alvo fácil, permitindo-lhes pintar os democratas em geral como burocratas incompetentes.

Em uma semana na qual o presidente foi absolvido no julgamento do impeachment e teve chance de alardear suas conquistas no discurso do Estado da União, os pontos fracos dos democratas pareceram ajudar a colocar Trump em um caminho mais tranquilo rumo à reeleição.