Cedae nega uso de metais pesados no combate à geosmina

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado domingo, 11 de abril de 2021 as 16:16, por: CdB

Na última quarta-feira, a estatal, que vem sendo alvo do governo federal para ser privatizada apesar de gerar lucro de R$ 1,3 bilhão ao ano para o Estado do Rio, foi acusada de despejar Lantânio – apontado supostamente como um metal pesado – no tratamento para conter a geosmina.

Por Redação, com BdF – do Rio de Janeiro

A segunda crise da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) com o reaparecimento da geosmina, em um intervalo de um ano, ganhou novos elementos nos últimos dias. Ao tentar eliminar a substância que provoca cheiro e gosto na água distribuída, a Cedae se viu diante de uma nova questão.

Funcionário da Cedae observa o fluxo da água contaminada com a geosmina

Na última quarta-feira, a estatal, que vem sendo alvo do governo federal para ser privatizada apesar de gerar lucro de R$ 1,3 bilhão ao ano para o Estado do Rio, foi acusada de despejar Lantânio – apontado supostamente como um metal pesado – no tratamento para conter a geosmina. A substância tem concentração de 5% no produto Phoslock, utilizado pela companhia no tratamento iniciado nesta semana.

Fósforo

No entanto, segundo a Cedae, o lantânio não é um metal pesado, mas um tipo de terra rara que é usada inclusive em remédios para consumo humano. A companhia nega também que tenha havido lançamento de argila lantânica na água tratada e distribuída à população.

“Antes de obter autorização do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), a Companhia analisou dezenas de artigos no mundo inteiro que atestavam que o uso do produto em meios aquáticos não apontava toxicidade”, afirmou a companhia, em comunicado.

Em nota, o Conselho Regional de Química explicou que o Phoslock, utilizado pela Cedae como remediador físico-químico na água, atua na redução do fósforo, elemento essencial para a proliferação da geosmina. O produto interrompe a eutrofização, nome dado ao processo em que a água recebe muitos materiais orgânicos e ocorre a indução de produção da geosmina, de algas e plantas aquáticas.

Pânico

Autor de uma tese de doutorado sobre contaminação de solos por metais pesados, o engenheiro agrônomo Sael Sánchez Elias, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), explicou ao site de notícias Brasil de Fato que o produto Phoslock exerce o papel de um filtro filtro purificador que pode “sequestrar” o fosfato presente na água, o que ajuda no controle das algas e da geosmina.

— Na Austrália, que é um país bem rigoroso com o uso de químicos e metais, esse produto está certificado para o tratamento de água e qualificado como seguro — afirmou o pesquisador.

Para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Saneamento e Meio Ambiente do Rio de Janeiro e Região (SINTSAMA-RJ), Humberto Lemos, a informação equivocada divulgada na imprensa sobre o uso do produto gera pânico na população em plena pandemia da covid-19 e “justifica o injustificável, que é entregar a Cedae à iniciativa privada”, além de não abordar o problema em profundidade.

— A questão da água contaminada envolve municípios, Estado e a União. A água está vindo muito poluída, os rios não estão sendo tratados e há um problema agudo de falta de saneamento básico. Na Baixada Fluminense, a Cedae só tem convênio de tratamento de esgoto com Nova Iguaçu. As demais prefeituras não estão cuidando disso e o esgoto que chega de outros lugares tem sido tratado no Guandu — explica Lemos.

Efluentes

Para Alexandre Pessoa, engenheiro sanitarista e professor-pesquisador da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fundação Oswaldo Cruz (EPSJV/Fiocruz), o problema central está na degradação do maior manancial do estado, que abastece de 80% da população fluminense.

— Isso revela um déficit de esgotamento sanitário na Baixada Fluminense e a necessidade de maior controle dos efluentes industriais — afirma o pesquisador da Fiocruz, reiterando a opinião do presidente do SINTSAMA-RJ.

Pessoa sustenta a tese de que as universidades devem desenvolver pesquisas, inclusive para informar a população, a Cedae, bem como o Programa de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano, o que possa interferir na qualidade da água distribuída.

— O mais importante para uma ação estruturante é que a Cedae desenvolva um plano operacional de emergência e contingência da estação de tratamento de água diante da eutrofização, com ações de curto, médio e longo prazo, podendo contar com apoio das instituições de pesquisa para que tenhamos água potável e uma Cedae pública, de qualidade, com transparência e controle social. O direito humano à água e à informação são determinantes para o direito à saúde pública — resume o professor e pesquisador da Fiocruz.