Central de cartas ajuda analfabetos e incapacitados no Rio

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado domingo, 1 de junho de 2003 as 10:07, por: CdB

Depois de um ano de experiência, um projeto carioca será expandido e prova que a ficção pode contribuir positivamente para a realidade.

A comprovação se refere à Central de Cartas criada pelo governo estadual na estação ferroviária Central do Brasil e que foi inspirada no personagem Dora, vivido pela atriz Fernanda Montenegro no filme Central do Brasil, dirigido por Walter Salles.

O programa passará a se chamar Central de Cartas Populares Fernanda Montenegro e será reinaugurado em breve.

Há um ano, a Central – serviço montado para atender pessoas analfabetas ou incapacitadas de escrever – apresenta média mensal de 60 cartas, escritas por dois funcionários que trabalham das 7h às 18h, número que triplica em datas especiais, como Dia das Mães e Natal.

O serviço funciona na unidade do programa Rio Simples, da secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo, e será estendido à Rodoviária Novo Rio, numa segunda etapa.

Além dos escreventes de cartas, o programa envolverá diversos serviços de outros órgãos estaduais, como a Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec), que oferece cursos de capacitação profissional.

A Central de Cartas terá caixa postal popular, assistentes sociais para atendimento ao público, oferecerá inscrições para cursos de alfabetização e de capacitação profissional para jovens e adultos e produção de currículos profissionais.

– O projeto ajudará pessoas carentes que buscam ajuda, principalmente para quem não tem emprego, endereço fixo e não pode receber respostas de suas correspondência – disse o secretário de Ação Social, Fernando Willian.