César Maia assisti desfile das escolas de samba em pé

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado segunda-feira, 3 de março de 2003 as 00:10, por: CdB

O prefeito do Rio, César Maia, repetiu mais uma vez o ritual de assistir a todas as escolas de samba, de pé, na beira da pista e, desta vez, ouviu dois pedidos de aumento salarial. Primeiro, ao cumprimentar o grupo de garis que varre a Passarela do Samba entre um desfile e outro, um deles aproximou-se do prefeito e pediu um salário mais alto que os R$ 400 mensais, incluindo adicional de insalubridade. Apelou ainda por um aumento no tíquete refeição. O prefeito prometeu aumentar de R$ 5 para R$ 6 cada vale dos funcionários da Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb).

Entre a primeira e a segunda escola, o prefeito atravessou a avenida e, da arquibancada, um servidor municipal gritou: “E o meu aumento, prefeito!” Maia respondeu, apressado: “Vai sair!” E seguiu em frente.

Até o fim do desfile, César Maia deve ficar mais de oito horas em pé, como sempre empolgado, pulando, ajudando a empurrar carros alegórios, beijando bandeiras das escolas e simulando comandar as baterias. O prefeito reservou 17 camisas sociais de manga comprida – todas azuis – para trocar nos três dias de desfile, começando sábado com o Grupo de Acesso, quando usou três camisas. Na segunda noite, foram mais sete. As outras sete ficaram reservadas para a segunda-feira.