Chama olímpica chega a Fukushima para exibição em cerimônia discreta

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Esportes Olímpicos, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 1 de abril de 2020 as 12:28, por: CdB

Os organizadores de Tóquio 2020 deixaram nesta quarta-feira a chama olímpica nas mãos da prefeitura de Fukushima, onde estará em exibição neste mês depois que os Jogos foram adiados.

Por Redação, com Reuters – de Fukushima/Londres

Os organizadores de Tóquio 2020 deixaram nesta quarta-feira a chama olímpica nas mãos da prefeitura de Fukushima, onde estará em exibição neste mês depois que os Jogos foram adiados por um ano devido ao surto de coronavírus.

Chefe do gabinete de cultura e esporte de Fukushima, Makoto Noji, segura lanterna com chama olímpica
Chefe do gabinete de cultura e esporte de Fukushima, Makoto Noji, segura lanterna com chama olímpica

A entrega ocorreu em uma cerimônia discreta no Centro Nacional de Treinamento J-Village, em Fukushima, que originalmente era o ponto de partida do revezamento da tocha.

Apenas o chefe de operações de Tóquio 2020, Yukihiko Nunomura, fez a viagem do comitê organizador ao norte do país.

– Isto é (símbolo de) esperança para o mundo celebrar o melhor dos seres humanos até Tóquio 2020 depois de superarmos o grave coronavírus – disse Nunomura no início da cerimônia.

A chama olímpica

Ele então entregou a chama olímpica a Makoto Noji, do governo de Fukushima.

– Acredito firmemente que a partida da chama olímpica do J-Village no próximo ano será uma forte mensagem de que podemos superar qualquer dificuldade – afirmou Noji.

– (É) símbolo de esperança, depois de superarmos essa doença por coronavírus que estamos enfrentando agora, com o povo, não apenas do Japão, mas de todo o mundo.

A chama permanecerá em exibição no J-Village até 30 de abril, antes de ser transferida para Tóquio. Os organizadores ainda não decidiram onde será exibida na capital japonesa.

Pandemia de coronavírus

O Comitê Olímpico Internacional e o governo japonês sucumbiram à intensa pressão de atletas e entidades esportivas de todo o mundo na semana passada, concordando em adiar os Jogos por causa da pandemia de coronavírus.

A Olimpíada de Tóquio ocorrerá de 23 de julho a 8 de agosto de 2021.

O J-Village foi escolhido como ponto de partida do revezamento da tocha de 121 dias, que deveria começar em 26 de março, porque é um símbolo da reconstrução do Japão após o terremoto e tsunami de 2011.

Torneio de Wimbledon será cancelado

Os organizadores de Wimbledon vão anunciar o cancelamento do Grand Slam disputado em quadra de grama nesta semana devido à pandemia de coronavírus, disse o vice-presidente da Federação Alemã de Tênis (DTB), Dirk Hordorff, à Sky Sports.

Todos as autoridades do England Lawn Tennis Club (AELTC) disseram anteriormente que o evento de 29 de junho a 12 de julho não seria disputado a portas fechadas e que o adiamento apresentava dificuldades e riscos significativos.

– Wimbledon anunciou que eles terão uma reunião da diretoria na próxima quarta-feira e tomarão a decisão final lá – disse Hordorff à Sky Sports Germany.

– Eu também estou envolvido nos conselhos da ATP e da WTA. As decisões necessárias já foram tomadas lá e Wimbledon decidirá cancelar na próxima quarta-feira. Não há dúvida sobre isso. Isso é necessário pela situação atual.

As restrições

– É completamente irrealista imaginar que, com as restrições de viagem atualmente, teremos um torneio internacional de tênis em que centenas de milhares de pessoas de todo o mundo viajariam. Isso é impensável.

O AELTC não respondeu a um pedido de comentário.

O adiamento das Olimpíadas de Tóquio abriu uma janela de duas semanas no calendário do tênis em julho/agosto, mas é menos provável que seja viável para Wimbledon, que possui apenas duas quadras cobertas e não pode ser realizado no final do verão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *