Chancelaria da Venezuela exige que embaixada da França em Caracas entregue Guaidó

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 5 de junho de 2020 as 14:24, por: CdB

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, está na Embaixada da França em Caracas, afirma o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza. Contudo, em nota oficial, o Ministério das Relações Exteriores da França nega esta informação.

Por Redação, com Sputnik – de Caracas/Paris

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, está na Embaixada da França em Caracas, afirma o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza. Contudo, em nota oficial, o Ministério das Relações Exteriores da França nega esta informação.

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó
O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó

A afirmação ocorre três dias depois do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, sugerir que o oposicionista estaria “escondido” em uma sede diplomática, revela o jornal El Nacional.

– Não podemos entrar na residência da embaixada de um país, neste caso da Espanha ou da França, e que a Justiça os leve pela força. Não se pode, não se pode – respondeu Arreaza em uma entrevista por rádio a uma jornalista que o perguntou sobre a suposta presença de Guaidó na embaixada francesa, assim como do opositor Leopoldo López, que se encontra hospedado na residência do embaixador espanhol em Caracas há mais de um ano.

– Esperamos que estes governos retifiquem (…) e entreguem os fugitivos da Justiça para a Justiça venezuelana – agregou Arreaza.

Arreaza afirmou que se trata de uma “situação profundamente irregular”. “É uma vergonha para a diplomacia da Espanha, é uma vergonha para a diplomacia da França, o que ocorreu e isto logo terá efeitos”, continuou o chanceler.

Embaixada em Caracas

No entanto, o Ministério das Relações Exteriores da França negou oficialmente que o oposicionista se encontre no território de sua embaixada em Caracas.

França e Espanha, assim como mais de 50 outros Estados, reconhecem Guaidó como presidente interino do governo venezuelano. China, Rússia e outras nações apoiam Nicolás Maduro.

Na segunda-feira, Maduro sugeriu que o líder oposicionista estava “escondido em uma embaixada”, o que foi negado prontamente por Guaidó.

Anteriormente, Maduro e funcionários de seu governo qualificaram Guaidó inúmeras vezes como “fugitivo da Justiça”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *