Chanceler chinês culpa EUA por tensões nas relações entre os países

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 24 de julho de 2020 as 12:53, por: CdB

A China ainda espera alcançar uma cooperação em que todos ganham e de respeito mútuo com os EUA, disse Wang, durante uma conversa por vídeo com o ministro das Relações Exteriores da Alemanha.

Por Redação, com Reuters – de Pequim/Washington

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse nesta sexta-feira que as tensões nas relações sino-americanas foram inteiramente causadas pelos Estados Unidos.

Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Y
Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Y

A China ainda espera alcançar uma cooperação em que todos ganham e de respeito mútuo com os EUA, disse Wang, durante uma conversa por vídeo com o ministro das Relações Exteriores da Alemanha.

Pequim determinou nesta sexta-feira que os Estados Unidos fechem seu consulado na cidade de Chengdu, em resposta à ordem dada pelos EUA nesta semana para que a China feche seu consulado em Houston, numa demonstração da deterioração das relações entre as duas maiores economias do mundo.

Ameaças

A Embaixada da China em Washington recebeu “ameaças de bomba e morte” por causa de “calúnias e ódio” espalhados pelo governo dos EUA, escreveu a porta-voz Hua Chunying em um tuíte.

– Os EUA deveriam revogar sua decisão errônea – disse ela. “A China certamente reagirá com contramedidas firmes.”

O governista Partido Comunista em Pequim estava cogitando fechar o consulado dos EUA na cidade central de Wuhan em retaliação, de acordo com uma fonte com conhecimento do assunto.

Especialistas em China baseados nos EUA disseram que Pequim também pode optar por atingir consulados mais importantes em Hong Kong, Xangai ou Guangzhou, algo que pode prejudicar as empresas norte-americanas.

A decisão sobre Houston ocorre antes das eleições presidenciais de novembro nos EUA, nas quais o presidente Donald Trump e seu rival democrata Joe Biden tentam parecer duros com a China.

Em uma visita à Dinamarca, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, repetiu acusações sobre roubo chinês de propriedade intelectual dos EUA e da Europa, que, segundo ele, está custando “centenas de milhares de empregos”.

Embora não tenha dado detalhes específicos sobre o consulado de Houston, Pompeo se referiu a uma acusação na terça-feira do Departamento de Justiça dos EUA contra dois cidadãos chineses sobre suposta campanha de espionagem cibernética de uma década que visava contratados da Defesa, pesquisadores da covid-19 e centenas de outras vítimas em todo o mundo.

Espionagem

Pompeo também se referiu a discursos recentes do chefe do FBI e de outros que destacaram as atividades de espionagem chinesas.

– O presidente Trump disse: ‘Basta. Não vamos permitir que isso continue acontecendo –  afirmou Pompeo a repórteres. “Essas são as ações que vocês veem sendo tomadas pelo presidente Trump, e continuaremos envolvidos nisso.”

Um diplomata chinês, falando à agência inglesa de notícias Reuters sob condição de anonimato, negou as acusações de espionagem e disse que a missão de Houston agia como outros consulados chineses nos Estados Unidos, emitindo vistos e promovendo visitas e negócios.