Chanceler saudita reclama de histeria internacional após morte de jornalista

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 27 de outubro de 2018 as 10:55, por: CdB

O chanceler saudita reiterou que seu país deixou “muito claro” que investigará o caso, que compartilhará os resultados das investigações e punirá os responsáveis “para assegurar que isto não aconteça novamente”.

Por Redação, com EFE – de Istambul

O ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel al-Jubeir, se queixou neste sábado que a resposta internacional pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, cometido há três semanas no consulado saudita em Istambul (Turquia), tem sido “histérica”.

Jamal Khashoggi

– A questão se tornou histérica. As pessoas estão culpando a Arábia Saudita antes de completar a investigação – disse Al-Jubeir, durante discurso no fórum Diálogo Manama, organizado pelo Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS), em Bahrein.

O chanceler saudita reiterou que seu país deixou “muito claro” que investigará o caso, que compartilhará os resultados das investigações e punirá os responsáveis “para assegurar que isto não aconteça novamente”.

O Ministério Público da Arábia Saudita reconheceu, na última quinta-feira, que a morte de Khashoggi, ocorrida no dia 2 deste mês, foi um assassinato premeditado.

A Turquia pediu que a Arábia Saudita providencie a extradição dos 18 suspeitos do assassinato, para que sejam julgados pelos tribunais turcos.

No mesmo evento que Adel al-Jubeir, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, afirmou hoje que o assassinato de Khashoggi “mina a segurança regional”.

– O assassinato de Khashoggi deve preocupar a todos. O fracasso que qualquer nação em aderir às normas internacionais e do Estado de Direito mina a estabilidade regional em um momento em que é necessário – disse Mattis, em seu discurso.

Apesar das suas declarações sobre Khashoggi, Mattis reiterou o compromisso de seu país com seus aliados árabes contra o Irã, a quem acusou de apoiar a Al Qaeda, além de armar outros grupos terroristas e de ameaçar a segurança marítima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *