Chefe de milícia da Zona Oeste é preso em operação no Rio

Arquivado em: Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 28 de setembro de 2018 as 14:46, por: CdB

A Polícia Civil informou que Bira tinha mandados de prisão por associação criminosa, sequestro, homicídio e outras duas tentativas de homicídio.

Por Redação, com agências de notícias – do Rio de Janeiro

Policiais da 32ª DP (Taquara) prenderam, na quinta-feira, um homem suspeito de ser chefe da milícia que atua em Santa Maria, na Taquara, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

A Polícia afirmou que foram apreendidas uma pistola 9 mm, uma pistola .45, um revólver calibre 38, além de carregadores e de munições

Conhecido como Bira, o preso tinha um mandado de prisão pela morte de uma pessoa no início dessa semana, em Jacarepaguá, também na Zona Oeste.

A Polícia Civil informou que Bira tinha mandados de prisão por associação criminosa, sequestro, homicídio e outras duas tentativas de homicídio.

Em nota, a Polícia afirmou que foram apreendidas uma pistola 9 mm, uma pistola .45, um revólver calibre 38, além de carregadores e de munições.

Justiça condena oficiais da PM

A Justiça do Rio condenou o tenente-coronel da Polícia Militar (PM) Dayzer Corpas Maciel, ex-comandante do 17º Batalhão, na Ilha do Governador, e mais 11 oficiais da corporação, acusados dos crimes de roubo qualificado e extorsão mediante sequestro.

Na sentença, a juíza titular da Auditoria Militar da PM , Ana Paula Monte Figueiredo Pena Barros, condenou Dayser Corpas a 20 anos de prisão e os outros acusados a penas que variam de 24 anos e um mês a 11 anos e cinco meses de prisão.

De acordo com a denúncia, feita pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público e pela Promotoria de Justiça Junto à Auditoria Militar, no dia 16 de março de 2014, na Estrada do Galeão, sete oficiais da PM, no exercício de suas funções e em comunhão de ações e desígnios com o comandante do 17º batalhão e mais oito oficiais, extorquiram traficantes do Morro do Dendê, na Ilha do Governador, e de Senador Camará, na Zona Oeste, mediante sequestro de dois traficantes pertencentes à facção criminosa Terceiro Comando Puro (TCP).

Na ocasião, os militares abordaram um veículo com cinco traficantes armados com quatro fuzis AK-47, diversas pistolas e granadas. Os PMs sequestradores receberam da facção criminosa R$ 300 mil para liberar dois dos traficantes detidos. Os policiais ainda se apropriaram de três dos fuzis apreendidos e, posteriormente, os revenderam a traficantes da mesma organização criminosa.

Na decisão, a juíza Ana Pena Barros escreveu que, “além do ex-comandante, os oficiais Vitor Mendes da Encarnação, Rogério Veiga, Francisco Zilvano Souza Fonteles, Honorato José da Silva, Saint’Clair de Araujo da Silva, Marco Andre Lopes da Silva, Erickson Barros Pieroni, Roosevelt de Guimarães Carvalho Júnior, Alexandre Peres Querino, Saelton Lucio de Medeiros e Henrique dos Anjos Henaut infringiram o Código Penal Militar e, por isso, devem cumprir pena de reclusão em regime fechado”.

Mais quatro militares denunciados pelo crime foram absolvidos pela Auditoria Militar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *