Chile: presidente pede renúncia de todos os ministros

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 26 de outubro de 2019 as 13:24, por: CdB

O anúncio foi feito após um protesto gigantesco, mas pacífico, na sexta-feira, no qual cerca de 1 milhão de chilenos foram às ruas para pedir por reformas econômicas para reduzir as desigualdades.

Por Redação, com Reuters – de Santiago

O presidente do Chile, Sebastian Piñera, pediu neste sábado que todos os ministros apresentem suas renúncias para fazer uma reforma ministerial, em uma tentativa de encerrar os protestos em massa contra o modelo econômico chileno que têm atingido o país.

Na última semana o governo chamou reservistas das Forças Armadas para conter protestos
Na última semana o governo chamou reservistas das Forças Armadas para conter protestos

O anúncio foi feito após um protesto gigantesco, mas pacífico, na sexta-feira, no qual cerca de 1 milhão de chilenos foram às ruas para pedir por reformas econômicas para reduzir as desigualdades.

– Pedi a todos os ministros que coloquem seus cargos à disposição para poder estruturar um novo gabinete para poder enfrentar essas novas demandas e lidarmos com os novos tempos – disse Piñera, um conservador, no palácio presidencial La Moneda.

Multidão tomas as ruas do Chile

Na sexta-feira, mais de um milhão de pessoas apenas em Santiago e centenas de milhares em outras cidades chilenas protestaram na tarde desta sexta-feira nas maiores manifestações de rua desde o retorno à democracia no Chile, uma semana depois do início de protestos contra o modelo econômico e o aumento do custo de vida no país.

Com os gritos de “o Chile acordou” e “o povo unido jamais será vencido”, grossas colunas de manifestantes avançaram ao longo de uma avenida central de Santiago para se concentrar na “maior marcha do Chile”, como foi chamada nas redes sociais.

O governo estimou a participação em mais de um milhão de pessoas na capital, enquanto muitas outras cidades estavam se mobilizando em todo o país, observadas pelos militares desde que o presidente Sebastián Piñera decretou um estado de emergência ao amanhecer de sábado em Santiago.

– Isso me lembra a marcha do ‘não’ antes do plebiscito de 1988 – disse à agência de notícias britânica Reuters a professora aposentada Clotilde Soto, 82 anos, lembrando a consulta de 5 de outubro de 1988 que tirou o ditador Augusto Pinochet do poder.

– E hoje estou marchando para ver se as coisas finalmente mudam no meu país. Não quero morrer sem ver uma mudança – disse ela, entusiasmada, enquanto se movia pelo centro de Santiago.

Melhores pensões, salários “decentes”, “educação de qualidade”: demandas de longa data da sociedade chilena que começaram a se juntar à reivindicação inicial de protesto, devido ao aumento do ingresso de transporte público.

As mobilizações, que muitas vezes levaram a saques, ataques incendiários e confrontos com a polícia, deixaram 17 mortos, milhares de pessoas presas e prejuízos milionários. A forte mobilização social levou Piñera a anunciar uma série de medidas para tentar contê-las, como aumentar as aposentadorias e melhorar o acesso à saúde.

O dia de sexta-feira começou em Santiago com caravanas de caminhões interrompendo o fluxo nas principais rodovias para a capital, em um protesto das transportadoras pelas altas tarifas pelo uso das estradas, administradas principalmente pela iniciativa privada. Na cidade portuária de Valparaíso, fortes manifestações provocaram a retirada das pessoas da sede do Congresso.

A capital chilena de mais de 6 milhões de habitantes havia recuperado na sexta-feira o serviço parcial de mais linhas de metrô após a suspensão total de suas operações após os incêndios provocados em dezenas de estações.

Os protestos até agora não mostraram liderança clara e as chamadas foram feitas principalmente por meio de redes sociais.

– O que funcionou 30 anos atrás não é mais útil, temos que estar à altura – disse Karla Rubilar, prefeita da capital, nomeada por Piñera.

Abusos

As mobilizações inicialmente pacíficas da última semana levaram a saques e violência, especialmente nos bairros mais pobres da periferia de Santiago. Os protestos deixaram mais de 6.000 detidos, segundo a promotoria.

A Justiça também investiga se as forças de segurança cometeram abusos para reprimir manifestações, como apontam as organizações locais de defesa dos direitos humanos.

Embora Piñera tenha recuado com o aumento do preço do metrô e anunciado medidas para conter o descontentamento, ele ainda enfrenta um caminho de negociações com o Congresso, onde a centro-direita é uma minoria, para avançar na agenda social.

Durante o dia, ele enviou ao Congresso o projeto de aumento da pensão básica entregue pelo Estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *