China condena cientista que editou genes de bebês

Arquivado em: Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 30 de dezembro de 2019 as 12:25, por: CdB

He Jiankui chocou o mundo científico em 2018 ao anunciar o nascimento dos primeiros bebês geneticamente editados. Agora, ele e mais dois assistentes terão que ir para a prisão.

Por Redação, com Reuters – de Pequim

Um tribunal da China condenou a 3 anos de prisão o cientista que criou os primeiros bebês “editados geneticamente”, nesta segunda-feira, de acordo com a agência de notícias estatal Xinhua, depois de acusá-lo de praticar medicina ilegalmente.

He Jiankui recebeu pena de três anos de prisão
He Jiankui recebeu pena de três anos de prisão

He Jiankui, à época professor-assistente da Universidade de Ciência e Tecnologia do Sul de Shenzhen, disse em novembro de 2018 que usou uma tecnologia de edição genética conhecida como CRISPR-Cas9 para mudar os genes de gêmeas para impedir que elas fossem contaminadas com o vírus da Aids no futuro.

A reação negativa à ética de sua pesquisa e trabalho foi rápida e abrangente na China e no resto do mundo.

Ele e seus colaboradores forjaram materiais de revisão ética e recrutaram homens soropositivos que eram parte de um casal para realizar a edição genética. Por meio de seus experimentos, duas mulheres deram à luz três bebês editados geneticamente, de acordo com a Xinhua.

Instituições médicas

A corte emitiu penas menores contra Zhang Renli e Qin Jinzhou, que trabalharam em duas instituições médicas não identificadas, por terem conspirado com He no trabalho.

“Os três acusados não tinham a certificação apropriada para praticar medicina, e ao buscar fama e riqueza violaram deliberadamente regulamentos nacionais de pesquisa científica e tratamento médico”, disse a corte, segundo a Xinhua.

“Eles cruzaram o limite da ética na pesquisa científica e na ética médica”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *