China não escondeu surto de coronavírus, diz embaixador

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 23 de abril de 2020 as 11:23, por: CdB

A China não escondeu o surto do novo coronavírus e os Estados Unidos não devem buscar intimidar o país de forma parecida com a feita durante as guerras coloniais europeias do século XIX, disse o embaixador chinês em Londres nesta quinta-feira.

Por Redação, com Reuters – de Londres/Pequim

A China não escondeu o surto do novo coronavírus e os Estados Unidos não devem buscar intimidar o país de forma parecida com a feita durante as guerras coloniais europeias do século XIX, disse o embaixador chinês em Londres nesta quinta-feira.

Embaixador chinês no Reino Unido, Liu Xiaoming 15/08/2019 REUTERS/Simon Dawson
Embaixador chinês no Reino Unido, Liu Xiaoming 15/08/2019 REUTERS/Simon Dawson

– Escuto muito sobre essa especulação, essa desinformação sobre a China acobertando, sobre a China escondendo algo, isso não é verdade – disse Liu Xiaoming. “O governo chinês foi transparente e muito rápido ao compartilhar dados.”

– Algum outro país, seus tribunais locais processaram a Chin, é absurdo – disse. “Alguns políticos, algumas pessoas, querem brincar de ser a polícia do mundo, esta não é a era da diplomacia de canhoneira, esta não é a era quando a China era uma sociedade semi-colonial, semi-feudal.”

– Essas pessoas ainda vivem nos dias antigos, elas acham que podem intimidar a China, acham que podem intimidar o mundo – disse Liu. “A China não é inimiga dos Estados Unidos, se eles consideram a China inimiga, escolheram o alvo errado.”

Cidade chinesa com maior surto

Uma cidade de 10 milhões de habitantes do noroeste da China que hoje tem o maior surto de coronavírus do país endureceu o acesso a pessoas de fora na quarta-feira para conter a disseminação da doença altamente contagiosa.

Harbin, capital provincial de Heilongjiang e sua maior cidade, proibiu a entrada de não locais e de veículos registrados em outras partes em zonas residenciais, disse a mídia estatal. A metrópole já havia ordenado o isolamento de pessoas provenientes de fora da China ou de áreas com grandes epidemias.

Heilongjiang está na linha de frente dos esforços chineses para identificar cidadãos infectados chegando da Rússia, com a qual divide a fronteira, para deter a proliferação do vírus.

“Todos os casos confirmados, casos suspeitos, contatos próximos de pessoas assintomáticas e contatos próximos de contatos próximos deveriam ser postos em quarentena e examinados”, disse o governo municipal, segundo citação da mídia estatal.

Neste mês, Harbin disse que está ordenando 28 dias de quarentena para todos os recém-chegados do exterior e dois exames de ácido nucleico para cada, e determinou isolamentos de 14 dias para residências onde casos confirmados e assintomáticos forem descobertos.

– Não estou mais levando minha filha ou pais para fora. Se precisamos de algum alimento ou vegetais, deixamos que meu marido compre na volta para casa – disse uma moradora de 34 anos de Harbin de sobrenome Sun.

– E quando alguém tem que sair, ele ou ela deixa os calçados do lado de fora da porta para evitar trazer o vírus na volta.

Harbin, que tem ligações aéreas com a Rússia, relatou sete casos confirmados novos na terça-feira, o que eleva as infecções locais para 52, excluindo as pessoas recuperadas que tiveram alta nos hospitais.

Além disso, três viajantes infectados chegaram da Rússia.

Cerca de 1,4 mil pessoas estão em observação para se detectar sinais do vírus.

Até terça-feira, Heilongjiang havia relatado 537 casos locais confirmados, incluindo 470 liberados dos hospitais. Além de Harbin, a cidade de Mudanjiang tem dois casos confirmados no momento.

– As medidas preventivas têm sido mais estritas ultimamente, e pessoas de Mudanjiang ou Harbin não terão permissão de entrar em nossa cidade – disse um servidor civil de sobrenome Zhang que mora na cidade de Mishan, no extremo leste de Heilongjiang.

Harbin

Um foco persistente em Harbin gira em torno de um homem de 87 anos de sobrenome Chen que esteve em dois hospitais desde 2 de abril, quatro dias depois de jantar em casa com os amigos de seus filhos, dois dos quais tiveram diagnósticos positivos mais tarde.

Até terça-feira, Chen havia infectado 78 pessoas, sendo 55 confirmadas, mas 23 que tiveram diagnósticos positivos ainda não exibiram sintomas do vírus.