China pode banir autores de lei dos EUA que apoia manifestantes de Hong Kong

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 28 de novembro de 2019 as 10:40, por: CdB

A China está ponderando banir de seus territórios os autores da lei dos Estados Unidos que apoia manifestantes de Hong Kong.

Por Redação, com Reuters – de Pequim

A China está ponderando banir de seus territórios os autores da lei dos Estados Unidos que apoia manifestantes de Hong Kong, o que inclui a parte continental chinesa além de Macau e Hong Kong, disse o editor-chefe do Global Times, Hu Xijin, nesta quinta-feira.

Homem segura cartaz durante protesto em Hong Kong
Homem segura cartaz durante protesto em Hong Kong

Hu, em um tuíte, não deu mais detalhes sobre a medida e não disse como obteve a informação. O Global Times é publicado pelo Diário do Povo, jornal oficial do governista Partido Comunista da China.

Consequências

A China alertou os Estados Unidos nesta quinta-feira de que irá adotar “contramedidas firmes” em resposta à legislação dos EUA apoiando manifestantes contrários ao governo em Hong Kong, e disse que tentativas de interferir na cidade comandada pela China estão destinadas a falhar.

O presidente dos EUA, Donald Trump, assinou em lei na quarta-feira uma legislação do Congresso que defende os manifestantes, apesar das objeções de Pequim, com a qual Trump busca um acordo para acabar com a guerra comercial.

A lei exige que o Departamento de Estado certifique, ao menos anualmente, que Hong Kong é autônomo o suficiente para justificar termos comerciais favoráveis com os EUA que ajudaram a cidade a se tornar um centro financeiro mundial

Também ameaça sanções por violações de direitos humanos.

Pequim alertou que os EUA devem arcar com as consequências das contramedidas da China se continuar a “agir arbitrariamente” em relação a Hong Kong, disse o Ministério das Relações Exteriores em comunicado.

O vice-chanceler chinês, Le Yucheng, também convocou o embaixador norte-americano, Terry Branstad, nesta quinta-feira e exigiu que Washington pare imediatamente de interferir nas questões domésticas da China.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *