China mantém foco na abertura e nas mudanças estruturais

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 23 de abril de 2018 as 10:01, por: CdB

No ano em que a China celebra 40 anos da política de reforma e abertura, período em que passou de uma economia fechada ao exterior para a principal exportadora e importadora de bens, ultrapassando os Estados Unidos em 2013, as mudanças estruturais a que o país tem se dedicado e acostumado estão mais uma vez nos holofotes

Por Janaína Silveira – de Beijing:

A China quer agora um crescimento focado em qualidade e com uma manufatura de excelência, o que significa um investimento maciço em tecnologia, pesquisa e desenvolvimento e que compõe parte da estratégia Made in China 2025. Tem significado também percalços, tais quais a disputa comercial protagonizada pelos Estados Unidos.

China mantém foco na abertura e nas mudanças estruturais

Paralelo a um caminho rumo a mais qualidade, Beijing reforça o apoio à globalização e ao combate a políticas protecionistas. É uma das evidências mais claras do vigor das transformações adotadas a partir de 1978; e que catapultaram o país do posto de 32º no ranking de países participantes; do comércio internacional para a liderança em três décadas.

Produtos

Se no início do processo o país era tímido em relação ao comércio global; agora tal componente é central no modelo de desenvolvimento chinês. Mas com uma diferença: hoje a China não exporta apenas produtos baratos e de qualidade baixa; e ainda busca diminuir a dependência de importação de insumos intensivos em tecnologia.

Compete com grandes conglomerados, e países; até então hegemônicos em outros mercados – e, dentro de casa, acirra a competição para quem produz chips; máquinas complexas e outros equipamentos. Mexe com estruturas que, dada a globalização e suas cadeias globais de valor; são também caras a outras nações.

Desenvolvimento chinês

Neste sentido, é interessante notar que no processo de desenvolvimento chinês; especialmente a partir da política de reforma e abertura; tanto quanto a velocidade com que o país cresceu; as reformas estruturais são uma constante. Um motor de mudanças tão acelerado quanto os incrementos produtivos. E é de se pensar que a economia dê sinais de crescimento e desenvolvimento justamente por isso.

Tais movimentos não são triviais e hoje acirram disputas; como o recente banimento dos produtos da gigante de telecomunicações chinesa ZTE do mercado norte-americano pelos próximos sete anos. A justificativa tem como base a venda de produtos para países sob embargo; como Irã e Coreia do Norte, e o fato de que os funcionários responsáveis por tais operações não só não foram punidos; mas recompensados em suas funções.

ZTE

A empresa e o Ministério do Comércio chinês já se pronunciaram contra as alegações norte-americanas; mas é interessante notar que a ZTE é a empresa líder no desenvolvimento de tecnologia e padrão 5G; por meio da qual tanto a chamada Revolução Industrial 4.0 e a miríade de produtos e serviços prometida pela Internet das Coisas poderá operar.

Um exemplo simples é a possibilidade de massificação dos veículos de condução autônoma. Quem detiver tais padrões e tecnologia terá, logo, um impacto global.

Protecionismo

Enquanto busca uma manufatura de ponta e advoga por menos protecionismo; a China reforça ainda mais o compromisso com a abertura econômica; em outras pontas.

O fato mais recente é a criação de uma zona piloto de livre comércio na província tropical de Hainan. Na ilha, o porto local terá novas regras e turistas de 59 países; incluindo o Brasil; poderão ficar no local sem visto por 30 dias; desde que reservem suas viagens por agências.

É mais uma experimento em um país cujo primeiro trimestre mostra; que a economia continua vibrante. O PIB atingiu 19,88 trilhões de yuans (US$ 3,2 trilhões) nos primeiros três meses de 2018; um aumento de 6,8% em relação ao ano passado; igual à taxa de crescimento no trimestre anterior; segundo o governo. Interessante notar que o consumo continua ganhando espaço: os serviços representaram 56,6% da economia e 61,6% do crescimento no primeiro trimestre. O consumo final contribuiu com 77,8% do crescimento econômico; em relação a 58,8% no ano passado.

Janaína Silveira, é jornalista, viveu em Beijing de 2007 a 2013, para onde viaja com regularidade. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *