China produz grande quantidade de papel com pó mineral

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado sexta-feira, 13 de junho de 2003 as 04:51, por: CdB

A China iniciou a produção, em grande escala, de papel com pó de silicato de cálcio, que substitui a polpa de madeira, para preservar as poucas florestas do país e impedir o avanço da desertificação, informou nesta sexta-feira a agência estatal Xinhua.

A província meridional de Yunnan, uma das regiões chinesas mais ricas em biodiversidade, foi a pioneira na utilização de silicato de cálcio para a fabricação de papel, exemplo seguido mais tarde pelas províncias de Shaanxi, Sichuan e Shandong.

– As máquinas ou as técnicas que utilizamos agora são as mesmas, por isso não deve acrescentar nenhum custo de reconversão das instalações – detalhou o engenheiro Zhing Guangrong, do Instituto para Aplicações de Metais não Ferrosos.

Uma tonelada de silicato de cálcio equivale a 6,3 metros cúbicos de madeira, tendo como vantagem que não é necessário utilizar água na produção de papel.

Além disso, enquanto na China há muito silicato de cálcio, com 370 milhões de toneladas em quatorze províncias e regiões chinesas, as florestas do país estão em perigo de extinção pela desmatamento indiscriminado e a desertificação.

Por esta razão, Pequim proibiu a poda de árvores no trecho superior do rio Yangtzé, que atravessa a zona sul do país de oeste a leste até desembocar no Delta dos Pérolas, uma das zonas mais prósperas do gigante asiático.

Segundo os especialistas, o uso do silicato de cálcio misturado com polpa de madeira é ideal por sua forma de pequenas agulhas, um marco perfeito para as matérias menores, que resulta em um produto final de qualidade e sem eletricidade estática.

A China, com uma produção anual de 30 toneladas de papel, é o segundo produtor e consumidor mundial de papel, atrás apenas dos Estados Unidos.