China reitera apoio à Rússia sobre ‘soberania e segurança’

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Europa, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 15 de junho de 2022 as 11:32, por: CdB

Os dois líderes ainda concordaram que devem “promover ações com países dos mercados emergentes e em via de desenvolvimento que devem unir e cooperar para um desenvolvimento da ordem internacional e da governança global em uma direção mais justa e racional”.

Por Redação, com ANSA – de Pequim

O presidente da China, Xi Jinping, conversou com seu homólogo russo, Vladimir Putin, nesta quarta-feira e reafirmou o compromisso de seu país com Moscou nas questões de “soberania e segurança”. O telefonema ocorreu por conta do aniversário de 69 anos do líder chinês.

Putin telefonou para Xi para felicitá-lo por seu aniversário

– A China deseja seguir apoiando a Rússia nas questões que afetam interesses fundamentais e as principais preocupações como soberania e segurança, a intensificar a coordenação estratégica entre os dois países e a reforçar a comunicação e a coordenação nas principais organizações internacionais e regionais, como ONU, Brics e Organização para a Cooperação de Xangai – disse Xi em nota repercutida pela emissora estatal “CCTV”.

Os dois líderes ainda concordaram que devem “promover ações com países dos mercados emergentes e em via de desenvolvimento que devem unir e cooperar para um desenvolvimento da ordem internacional e da governança global em uma direção mais justa e racional”.

Ainda conforme a “CCTV”, Putin teria afirmado que sob Xi, a China obteve “notáveis resultados em termos de desenvolvimento”.

Segurança global

“Moscou ainda sustenta a iniciativa de segurança global proposta pela parte chinesa e se opõe a qualquer força que interfira nos assuntos internos da China sob qualquer pretexto com Xinjiang, Hong Kong, Taiwan e sobre outras questões está disposta a reforçar a cooperação multilateral com a China”, informou a estatal.

O comunicado é um claro ataque aos Estados Unidos que, especialmente neste ano, vem apoiando os independentistas de Taiwan e ampliando sua presença na região do indo-pacífico, de histórico domínio chinês.

Horas após a divulgação por parte do governo de Pequim, o Kremlin publicou uma nota da conversa, repercutida pela Tass, e ressaltou que Xi afirmou que as “ações da Rússia para a defesa de seus interesses nacionais perante desafios externos são legítimas”.

Ainda conforme o governo russo, as posições das duas nações “na arena global são unidas ou muito próximas”.

A fala é uma clara referência à guerra na Ucrânia, iniciada por Moscou em fevereiro, e que fez os russos sofrerem com uma série de pesadas sanções internacionais.

Sobre o tema, o Kremlin ainda informou que as relações bilaterais “estão em um nível sem precedentes e melhorar constantemente” e que os dois líderes “vão reforçar a cooperação nos setores energéticos, financeiros, industriais à luz das ilegais sanções ocidentais”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

code