China suspende visitas de militares dos EUA a Hong Kong 

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 2 de dezembro de 2019 as 10:33, por: CdB

A chancelaria disse ter suspendido a aceitação de pedidos de visitas de militares dos Estados Unidos por tempo indeterminado, e alertou para novas ações.

Por Redação, com Reuters – de Pequim

A China anunciou nesta segunda-feira que navios e aeronaves de militares dos Estados Unidos não terão permissão de visitar Hong Kong, e também anunciou sanções contra várias organizações não governamentais norte-americanas acusadas de incentivar manifestantes a “se engajar em atos extremistas, violentos e criminosos”.

Manifestação em Hong Kong
Manifestação em Hong Kong

As medidas foram anunciadas pelo Ministério das Relações Exteriores da China em reação a uma legislação sancionada pelos EUA na semana passada em apoio aos manifestantes antigoverno em Hong Kong. A chancelaria disse ter suspendido a aceitação de pedidos de visitas de militares dos EUA por tempo indeterminado, e alertou para novas ações.

– Exortamos os EUA a corrigirem os erros e pararem de interferir em nossos assuntos internos. A China adotará medidas adicionais, se necessário, para manter a estabilidade e a prosperidade de Hong Kong e a soberania da China – disse a porta-voz da chancelaria, Hua Chunying, em um briefing diário à imprensa em Pequim.

Na semana passada, a China prometeu que adotará “contramedidas firmes” depois que o presidente norte-americano, Donald Trump, sancionou a “Lei de Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong”, que apoia manifestantes antigoverno de Hong Kong e ameaça impor sanções à China.

Há temores de que a desavença sobre Hong Kong afete os esforços de Pequim e Washington para chegar a um acordo preliminar que poderia frear a guerra comercial prolongada entre os dois países.

Entre as ONGs sediadas nos EUA na mira de Pequim estão o Fundo Nacional para a Democracia, o Instituto Nacional Democrata para as Relações Exteriores, o Instituto Internacional Republicano, o Human Rights Watch e a  Freedom House.

– Eles têm alguma responsabilidade pelo caos em Hong Kong, e deveriam ser punidos e pagar o preço – disse Hua.

Em épocas mais normais, várias embarcações navais dos EUA visitam Hong Kong anualmente, uma tradição de descanso e recreação que existe desde a era colonial pré-1997 e que Pequim permitiu continuar após a devolução do controle britânico.

Tensões

As visitas foram recusadas algumas vezes devido a tensões mais abrangentes, e o acesso a dois navios dos EUA foi recusado em agosto.

O USS Blue Ridge, navio de comando da Sétima Frota sediada no Japão, parou em Hong Kong em abril, e foi o último a visitá-la antes da irrupção dos protestos em massa em junho.

ONGs estrangeiras sofrem muitas restrições na China, e já foram alvo de reprimendas severas por relatarem problemas de direitos humanos no país, como a detenção em massa de muçulmanos uigures em Xinjiang.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *