Chuva interrompe trabalho de buscas por vítimas em Brumadinho

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019 as 13:02, por: CdB

As buscas serão retomadas assim que a chuva der uma trégua, segundo o Corpo de Bombeiros. Até o momento, foram encontrados 121 corpos, dos quais 114 foram identificados pelo Instituto Médico Legal.

Por Redação, com ABr – de Brasília

A chuva que atinge, desde a madrugada desta segunda-feira, a cidade de Brumadinho (MG), impediu o início do trabalho de busca por vítimas do rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, ocorrida em 25 de janeiro. De acordo com o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, o trabalho, que normalmente começa às 4h, não pôde ser iniciado.

A chuva que atinge, desde a madrugada desta segunda-feira, a cidade de Brumadinho (MG), impediu o início do trabalho de busca por vítimas

As buscas serão retomadas assim que a chuva der uma trégua, segundo o Corpo de Bombeiros. Até o momento, foram encontrados 121 corpos, dos quais 114 foram identificados pelo Instituto Médico Legal.

De acordo com a mineradora Vale, que administra a barragem, 205 pessoas continuam desaparecidas.

Bombeiros desmentem que sirene tenha sido acionada

O Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais desmentiu nesta segunda-feira a informação de que sirenes tenham sido acionadas pela mineradora Vale na região de Brumadinho, onde a barragem da Mina do Córrego do Feijão se rompeu em 25 de janeiro.

A informação havia circulado nas redes sociais durante a madrugada.

– A informação não procede – destacou a corporação, por meio de nota. “Parece que teve um som, mas não foi proveniente da região afetada pelo rompimento da barragem ou de outra barragem da Vale”, completou. O barulho, segundo o comunicado, seria de uma empresa localizada nos arredores.

Drone

O Corpo de Bombeiros do estado informou ainda que um operador de drone foi preso na manhã de hoje. As equipes que atuam na região utilizam um radar capaz de detectar a posição do aparelho e também do operador. Segundo a corporação, o homem é um profissional contratado por um veículo internacional. “Ele adentrou a zona quente para fazer as imagens. As equipes que trabalham em Brumadinho contam com um equipamento que detecta drones e seus operadores em toda a região do rompimento da barragem adjacências.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *