CIA manda Bolsonaro se comportar frente eleições, mas ele desobedece

Arquivado em: Brasil, Manchete, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 5 de maio de 2022 as 14:18, por: CdB

Recentemente, o presidente voltou a flertar com o golpismo e afirmou que, neste ano, ‘com certeza’ irá implementar ‘a contagem de votos’ no Brasil. A campanha de Bolsonaro contra as eleições ganhou novos capítulos após as Forças Armadas enviarem 88 questionamentos ao TSE sobre supostas fragilidades.

Por Redação, com Reuters – de Brasília e Washington

A Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA, na sigla em inglês) teria determinado que o mandatário brasileiro, Jair Bolsonaro (PL), parasse com as agressões ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ao questionar a segurança das urnas eletrônicas, uma vez que informes internos haviam atestado a idoneidade do sistema eleitoral brasileiro. Qualquer posição diferente pode ser interpretada como uma tentativa de golpe contra a democracia brasileira, avalia o setor do governo norte-americano para assuntos externos.

Mandatário brasileiro, Jair Bolsonaro (PL)

Em face das informações obtidas, a CIA fez chegar ao governo Bolsonaro nos últimos dias que seu posicionamento similar a uma intervenção ilegal no sistema democrático implicará em possíveis sanções norte-americanas, caso as eleições de outubro deste ano sejam marcadas por algum ato extremado. Os fatos foram divulgados, nesta quinta-feira, em reportagem da agência inglesa de notícias Reuters.

O texto da Reuters baseia-se em fontes próximas ao diretor da CIA, William Burns, que teria enviado a Bolsonaro a mensagem através de outras autoridades brasileiras. O relato de Burns sobre a situação teria ocorrido em julho do ano passado e, desde então, Bolsonaro não atendeu às delimitações impostas pelo principal aliado de seu governo, no exterior.

Jantar

A visita de Burns ocorreu seis meses após o ataque de militantes de extrema-direita ao Capitólio norte-americano. A mensagem foi reforçada um mês depois, quando o conselheiro de Segurança Nacional Jake Sullivan revelou o descontentamento do governo de Joe Biden com os ataques à lisura das eleições. Segundo as fontes da matéria, entretanto, a posição do diretor da CIA teria sido mais enfática, sem detalhar o que isso significa.

Em Brasília, Burns teria se encontrado primeiro com Bolsonaro, com o general Augusto Heleno (ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional) e com o então chefe da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, no Palácio do Planalto. Em outra oportunidade, na residência do embaixador dos EUA no país, o diretor da CIA esteve com Heleno e com o ministro-chefe de Gabinete da Presidência da República à época, Luiz Eduardo Ramos.

Segundo a Reuters, no jantar, Heleno e Ramos tentaram descartar o significado das repetidas alegações de Bolsonaro de fraude eleitoral. Uma fonte da agência disse que a resposta de Burns foi que “o processo democrático era sagrado e que Bolsonaro não deveria estar falando dessa maneira”.

— Burns estava deixando claro que as eleições não eram um assunto com o qual eles deveriam mexer. Não foi uma palestra, foi uma conversa — revelou a fonte.

Confiança

No mês seguinte aos encontros, diz a Reuters, o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, externou a Bolsonaro preocupações semelhantes sobre minar a confiança nas eleições. Os conselhos de Burns dados ao governo brasileiro, no entanto, não foram seguidos por Bolsonaro, que manteve os ataques às urnas eletrônicas e ao sistema eleitoral brasileiro ao alegar que é suscetível a fraudes.

Recentemente, o presidente voltou a flertar com o golpismo e afirmou que, neste ano, ‘com certeza’ irá implementar ‘a contagem de votos’ no Brasil. A campanha de Bolsonaro contra as eleições ganhou novos capítulos após as Forças Armadas enviarem 88 questionamentos ao TSE sobre supostas fragilidades que, na visão dos militares, podem expor a vulnerabilidade do processo.

A maioria das perguntas tem como pano de fundo argumentos usados pelo presidente para descredibilizar a Justiça Eleitoral e a votação. Um deles diz respeito à existência de uma sala secreta para apuração de votos. Na pergunta, o general indaga sobre a possibilidade de uma contagem paralela feita pelas Forças Armadas, conforme sugeriu Bolsonaro.

Entre os demais ofícios enviados ao TSE também constam dúvidas sobre os testes de integridade das urnas eletrônicas e sobre o nível de confiança no sistema de voto e apuração. Os militares também perguntaram se o pleito poderá ser decidido por um número menor de votos do que os habitualmente registrados em eleições anteriores, caso parte das urnas eletrônicas deixem de funcionar.

Nem o Planalto ou a CIA responderam, prontamente, aos pedidos de comentário feitos pela Reuters. O Departamento de Estado dos EUA apenas afirmou que “é importante que os brasileiros tenham confiança eu seu sistema eleitoral”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code