Cientistas brasileiros compartilham alta tecnologia em propulsão hipersônica

Arquivado em: Destaque do Dia, Energia, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 29 de março de 2019 as 15:51, por: CdB

O desenvolvimento da tecnologia hipersônica tem recebido bastante atenção de países como EUA, Rússia, China, União Europeia, Austrália e Brasil, seja para fins militares ou para fins civis.

 

Por Redação – do Rio de Janeiro

 

Cientistas da Universidade Federal do Rio grande do Norte (UFRN), com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), realizarão a 1ª Edição da Escola Brasileira em Propulsão Hipersônica Aspirada, visando a transferência da tecnologia SCRAMJET para a academia e a indústria Brasileira. Trata-se do mais avançado estudo, em nível mundial, do sistema instalado nos mísseis mais rápidos do sistema de defesa da Rússia.

Estes motores são capazes de percorrer a distância entre o Rio de Janeiro e Londres em menos de 3 horas, atualmente realizado em 11 horas e meia
Equipamentos hipersônicos são capazes de percorrer a distância entre o Rio e Londres em menos de 3 horas, percurso atualmente realizado em 11 horas e meia

Após 30 anos desde a Guerra Fria, a Rússia voltou a se destacar no campo tecnológico por sua capacidade bélica, devido  ao sucesso do teste realizado com o míssil Avantgard. Analistas do setor atribuem ao feito o reinício da corrida armamentista. Nenhum outro sistema de defesa, hoje existente, ser capaz de se proteger a um ataque de míssil hipersônico por conta da da alta velocidade atingida.

Tecnologia

A China, por sua vez, também realizou um teste bem-sucedido com seu míssil hipersônico Xingkong-2 e os EUA anunciaram o investimento de US$ 1 bilhão em sistemas de ataque e defesa baseado em mísseis hipersônicos, reafirmando a existência da nova corrida armamentista.

A mesma tecnologia desenvolvida e utilizada por tais mísseis também promete revolucionar e baratear não só o acesso ao espaço como também o transporte aéreo com a operacionalização de aeronaves hipersônicas. Estes motores são capazes de percorrer a distância entre o Rio de Janeiro e Londres em menos de 3 horas, percurso atualmente realizado em 11 horas e meia.

O desenvolvimento da tecnologia hipersônica tem recebido bastante atenção de países como EUA, Rússia, China, União Europeia, Austrália e Brasil, seja para fins militares ou para fins civis como é o caso do Brasil.

Seminário

Desde de 2007, o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), em São José dos Campos, São Paulo, desenvolve o projeto de propulsão hipersônica 14-X. O projeto visa construir e testar em voo um drone hipersônico para dominar todo processo de pesquisa, desenvolvimento e construção de veículos hipersônicos.

Foram convidados para o seminário, em Natal, 10 Pesquisadores Doutores, sendo cinco Palestrantes Estrangeiros de centros de pesquisa de excelência como NASA, ESA, DLR entre outros; além disso, cinco palestrantes Brasileiros irão proferir palestras sobre o projeto e teste de veículos hipersônicos.

O encontro será realizado entre 13 a 17 de maio de 2019 na UFRN e as inscrições devem ser realizadas através do site https://ebs.ect.ufrn.br/ até o dia – 21 de abril de 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *