Cientistas de Hong Kong relatam primeira reinfecção de covid-19 documentada

Arquivado em: Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 24 de agosto de 2020 as 14:57, por: CdB

Um cidadão de Hong Kong que se recuperou da covid-19 voltou a ser infectado quatro meses e meio mais tarde, no primeiro caso documentado de reinfecção humana, anunciaram pesquisadores da Universidade de Hong Kong nesta segunda-feira.

Por Redação, com Reuters – de Hong Kong

Um cidadão de Hong Kong que se recuperou da covid-19 voltou a ser infectado quatro meses e meio mais tarde, no primeiro caso documentado de reinfecção humana, anunciaram pesquisadores da Universidade de Hong Kong nesta segunda-feira.

Funcionária de hospital de campanha para tratamento de pacientes com covid-19 em Hong Kong
Funcionária de hospital de campanha para tratamento de pacientes com covid-19 em Hong Kong

A descoberta indica que a doença, que já matou mais de 800 mil pessoas em todo o mundo, pode continuar a se disseminar pela população global apesar da chamada imunidade de rebanho, disseram.

O homem de 33 anos ficou curado da covid-19 e teve alta de um hospital em abril, mas foi diagnosticado novamente depois de voltar da Espanha via Reino Unido no dia 15 de agosto.

O paciente parecia estar saudável antes, disseram os pesquisadores no estudo, que foi aceito pelo periódico médico internacional Clinical Infectious Diseases.

Linhagem de coronavírus

Descobriu-se que ele contraiu uma linhagem de coronavírus diferente daquela que havia contraído da primeira vez e que continuou assintomático com a segunda infecção.

– A descoberta não significa que tomar vacinas será inútil – disse o doutor Kai-Wang To, um dos principais autores do estudo, à Reuters.

– A imunidade induzida pela vacinação pode ser diferente daquelas induzidas pela infecção natural – explicou To. “Ainda precisaremos esperar pelos resultados dos testes de vacinas para ver o quão eficientes as vacinas são”.

Maria Van Kerkhove, epidemiologista da Organização Mundial da Saúde (OMS), disse nesta segunda-feira que não se deve tirar conclusões precipitadas em reação ao caso de Hong Kong.

Casos de pessoas que tiveram alta e voltaram a ter exames positivos de infecção de covid-19 já foram relatados na China continental e em outros países, mas nunca havia ficado claro se elas foram infectadas novamente depois de uma recuperação plena, como ocorreu com o paciente de Hong Kong, ou se ainda tinham o vírus da infecção inicial no organismo.

O número preliminar de pacientes da China que voltaram a ser diagnosticados depois de saírem do hospital é de 5% a 15%, disse Wang Guiqiang, especialista em doenças infecciosas do grupo chinês especializado em tratamento contra covid-19, durante uma entrevista coletiva em maio.

Uma explicação possível é que o vírus ainda existia nos pulmões do paciente, mas não foi detectado em amostras colhidas das partes superiores das vias aéreas, disse ele. Outras causas possíveis são a sensibilidade baixa dos exames e a imunidade fraca que pode levar a resultados positivos persistentes, acrescentou.