Cineasta Costa Gavras receberá prêmio no Festival de Cinema de Locarno

Arquivado em: Arquivo CDB, Boletim, Cultura
Publicado sexta-feira, 10 de junho de 2022 as 18:15, por: CdB

O cineasta grego Costa Gavras receberá o prêmio simbolo do Festival Internacional de Locarno, o Leopardo, pelo conjunto de filmes de sua carreira. Essa homenagem será prestada no dia 11 de agosto, durante o 75. Festival. Quando se fala em Costa Gavras, todos se lembram dos filmes Z, Missing, L’Aveu, contra regimes totalitários. Seus filmes também consagraram grandes atores como Yves Montand, Dustin Hoffman, Jessica Lang e Jack Lemmon.

Festival de Locarno

Para sua 75ª edição (de 3 a 13 de agosto de 2022), o Festival de Cinema de Locarno homenageará Costa-Gavras, o mestre do cinema comprometido. O diretor franco-grego receberá um Leopard por toda a sua carreira na noite de quinta-feira, 11 de agosto, na Piazza Grande. Na sexta-feira, 12 de agosto, no Fórum @Spazio Cinema , Costa-Gavras encontrará os festivaleiros, que poderão rever durante Locarno75 os dois filmes que lançaram sua carreira: Un homme de trop ( Tropas de choque , 1967) e Compartment tueurs ( Os Assassinatos do Carro Adormecido , 1965).

Desde 1946, o Festival de Cinema de Locarno é sinônimo de liberdade. O certame pretende assim celebrar a sua 75ª edição com a atribuição do Pardo alla careera Ascona-Locarno a Costa-Gavras, cineasta que soube denunciar nos seus filmes os excessos do mundo moderno, lançando um olhar intransigente sobre alguns dos mais escuro em nossa história. Seu aguçado senso de suspense, sua predileção por gêneros populares como thriller, noir e filme de julgamento, sua capacidade de revelar novas nuances na atuação de estrelas europeias e americanas – de Yves Montand a Jack Lemmon, passando por Simone Signoret, Jill Clayburgh, John Travolta, Jessica Lange, Dustin Hoffman ou mesmo Johnny Hallyday – permitiram que seus trabalhos chegassem ao grande público ao combinar de forma brilhante engajamento e entretenimento.

Com Z (1969), considerado o primeiro grande filme político do nosso tempo e premiado com o Oscar de melhor filme estrangeiro, Costa-Gavras narra a Grécia dos coronéis sem nunca deixar de questionar a realidade. O cineasta irá refazer os expurgos stalinistas em L’aveu (1970), o envolvimento da CIA no golpe chileno de 1973 com Missing (1982), o conflito israelo-palestino em Hanna K. (1983) e, mais recentemente, a corrupção do sistema financeiro em Capital (2012). Sua carreira, coroada por dois Oscars, um Urso de Ouro, uma Palma de Ouro e um Prêmio do Júri em Cannes, além de inúmeros outros prêmios conquistados em grandes festivais internacionais, é um mergulho corajoso nos mistérios da opressão e na lógica absurda do poder por todos os lados. Um apelo à responsabilidade coletiva que ressoa fortemente com a gravidade do momento.

“Conceder o prêmio Leopardo por sua carreira de cineassta,  a Costa-Gavras era uma obrigação, porque ele é provavelmente o cineasta que mais questionou a história do século XX, sem nunca se deixar cegar por ideologias. Ele é frequentemente definido como um “cineasta político”, mas Costa-Gavras é acima de tudo um autor extraordinário, dotado de um prodigioso senso de forma e estilo. Sem se afundar nas águas rasas do maneirismo autorreferencial, soube renovar-se e enfrentar incansavelmente novos desafios. Costa-Gavras encarna uma visão extremamente nobre do cinema, entendido como uma ferramenta de progresso e conhecimento que continua a dialogar com o público, oferecendo um vetor direto de prazer e entretenimento. » Giona A. Nazzaro, diretora artística.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

code