Ciro Gomes volta a fustigar Lula, acusando-o agora de ‘traidor’

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 8 de junho de 2020 as 14:44, por: CdB

Ciro, por sua vez, também é chamado de traidor pela militância petista, uma vez que se omitiu, no segundo turno da eleição presidencial de 2018, e se retirou em uma viagem para a França. O político nordestino, ainda na entrevista, não poupou as críticas à presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR).

Por Redação – de São Paulo

Provável candidato à Presidência da República, em 2022, o ex-governador cearense Ciro Gomes (PDT) voltou a fustigar o seu rival petista, Luiz Inácio Lula da Silva. Sem citar o nome do ex-presidente, Ciro chama de “traidor” todo aquele que se recusar a participar de uma frente ampla contra o fascismo. Referia-se, por suposto, à decisão de Lula recusar o apoio ao manifesto ‘Juntos’.

Ciro Gomes reaparece, em um vídeo gravado em que responde às perguntas dos eleitores
Ciro Gomes assinou o manifesto de centro-direita ‘Juntos’ e quer que Lula assine também

— Ninguém do povo vai entender a superficialidade de qualquer um de nós que, por mimimi, por manha, por marra, não cumpra sua tarefa de proteger a democracia que custou vidas a vários brasileiros. Vamos esquecer o exílio? Nem a pau, Juvenal. Vamos pro cacete, vamos defender a democracia brasileria e quem não vier é traidor — disse Ciro, em entrevista a um canal de TV por assinatura, na véspera.

Estelionato

Ciro, por sua vez, também é chamado de traidor pela militância petista, uma vez que se omitiu, no segundo turno da eleição presidencial de 2018, e se retirou em uma viagem para a França. O político nordestino, ainda na entrevista, não poupou críticas à presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR).

O ex-governador, agora aliado à centro-direita, tenta obter votos entre os eleitores que ainda se ressentem dos governos petistas, em especial o da presidente deposta Dilma Rousseff. De acordo com o presidenciável, “é difícil esquecer o estelionato eleitoral” praticado pela última gestão do PT, à frente do governo brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code