Clinton recebe Bush pai e filho na inauguração de biblioteca

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado quinta-feira, 18 de novembro de 2004 as 19:24, por: CdB

Bill Clinton celebrou na quinta-feira com aliados e adversários — inclusive com dois presidentes chamados Bush — a inauguração da sua biblioteca presidencial. A obra, que custou 165 milhões de dólares, destaca suas realizações no governo, mas também admite uma pitada de Monica Lewinsky na receita.

Gerald Ford, de 91 anos, foi o único ex-presidente ausente na cerimônia. O democrata Jimmy Carter, 80, o republicano George Bush, também 80, e seu filho, o atual ocupante da Casa Branca, compareceram com suas esposas à festa, marcada pela chuva, às margens do rio Arkansas.

Havia no total 30 mil amigos e simpatizantes de Clinton, a maioria deles encolhida sob um mar de guarda-chuvas vermelhos, azuis e pretos.

Foi um dia para deixar as disputas políticas de lado. “Hoje, somos todos vermelho, azul e branco as cores nacionais”, disse Clinton, 58, que se recupera de uma cirurgia cardíaca e está mais magro.

Ele sugeriu a Bush que aproveite a morte de Yasser Arafat para retomar o processo de paz no Oriente Médio. “Espero que você atinja a terra prometida da paz. Você tem uma boa oportunidade, e todos estamos rezando por você.”

E Clinton também se disse perturbado com a divisão política nos EUA. “Certa vez eu disse a um amigo, a três dias da eleição: ‘Sabe, sou a única pessoa em todos os EUA que gosta tanto de George W. Bush quanto de John Kerry, que acredita que ambos são boas pessoas, que acredita que ambos amam seu país, e que apenas vêem o mundo de forma diferente’.”

Bush, pai, derrotado por Clinton na eleição de 1992, elogiou a persistência do adversário, “uma das figuras políticas norte-americanas mais talentosas”.

– Acreditem em mim, eu aprendi isso da forma mais dura. Dito de um jeito simples, ele era uma pessoa natural. E ele fazia isso de modo que parecia que era fácil. Ah, como eu o odiei por isso – disse o ex-presidente.

Seu filho disse que Clinton “liderou nosso país com otimismo e com grande afeto pelo povo norte-americano, e esse afeto foi devolvido”. George W. Bush também lembrou uma frase sobre o estilo político de Clinton, que ele teria ouvido de um democrata: “Ele te olha no olho, aperta sua mão, segura seu bebê, brinca com seu cachorro, tudo ao mesmo tempo.”

Clinton respondeu aos elogios: “A primeira vez que eu ouvi George W. Bush discursar, em Iowa, eu liguei para um amigo e disse: ‘Meu Deus, esse cara pode nos derrotar, ele é um bom político.”

Carter lembrou seu primeiro encontro com Clinton, há 30 anos. “Pode ser uma surpresa para alguns de vocês saber que ele chegou atrasado,” disse Carter, aludindo à famosa impontualidade de seu sucessor.

Na longa cerimônia de inauguração da biblioteca, o ex-presidente foi saudado por trompetes, um coral e por uma banda de crianças latino-americanas. Uma esquadrilha da Guarda Aérea Nacional do Arkansas sobrevoou o local. Bono cantou “When the Rain Comes” — quando a chuva vem, e ela veio mesmo.

Ao lado de Clinton no palanque estava a senadora Hillary Rodham Clinton, sua mulher, cotada para ser candidata a presidente em 2008.

O Centro Presidencial Clinton, uma estrutura cúbica sobre o rio, inclui réplicas do Salão Oval e do gabinete presidencial. Ele abriga os 80 milhões de documentos, 21 milhões de emails e 2 milhões de fotos recolhidos durante seus oito anos de governo.

A aventura sexual de Clinton com Lewinsky não foi ignorada, mas é colocada no contexto das disputas partidárias no Congresso. Ela é parte de uma seção chamada “A Luta pelo Poder”, no qual se discute o processo de impeachment, com a posterior absolvição, que Clinton enfrentou em 1998 no Congresso.