‘Coletes amarelos’ voltam às ruas da França em mais um sábado de protestos

Arquivado em: Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 6 de abril de 2019 as 20:08, por: CdB

Primeiro-ministro francês, Edouard Philippe deverá, na segunda-feira, destacar os principais pontos levantados em horas de discussões com prefeitos e autoridades locais, estudantes de ensino médio, trabalhadores e intelectuais.

 

Por Redação, com Reuters – de Paris

 

Milhares de manifestantes tomaram as ruas de Paris e de outras cidades francesas pelo vigésimo primeiro final de semana consecutivo de protestos anti-governo dos chamados “coletes amarelos”, mas as manifestações foram amplamente pacíficas.

Os manifestantes conhecidos por usar coletes amarelos voltaram às ruas de Paris, em mais uma jornada contra o presidente Emmanuel Macron
Os manifestantes conhecidos por usar coletes amarelos voltaram às ruas de Paris, em mais uma jornada contra o presidente Emmanuel Macron

A natureza mais tranquila das manifestações é um alívio para o presidente francês, Emmanuel Macron, que nesta semana encerrou uma série de dois meses de reuniões com prefeituras como parte de sua iniciativa de “grand debat”.

Primeiro-ministro francês, Edouard Philippe deverá, na segunda-feira, destacar os principais pontos levantados em horas de discussões com prefeitos e autoridades locais, estudantes de ensino médio, trabalhadores e intelectuais e contribuições de 1,9 milhões de pessoas.

Macron, que lançou o debate em uma iniciativa para acalmar os protestos e determinar quais diretrizes as pessoas querem que o governo se concentre, deve anunciar propostas baseadas nos resultados ainda neste mês.

Fúria

No início da tarde de sábado 21 pessoas foram presas em Paris e foram registrados alguns confrontos com a polícia em Rouen em manifestações que eram em sua maioria pacíficas.
Manifestantes que levavam bandeiras francesas e cartazes pedindo referendos também marcharam sem violência por cidades como Bordeaux e Lille.

Os protestos, batizados pelos coletes de alta-visibilidade vestidos pelos manifestantes, começaram em novembro como uma expressão da fúria do povo contra os aumentos nos impostos sobre combustíveis.

O movimento logo se transformou em algo mais amplo contra o governo de Macron, apesar de um rápido recuo nos aumentos de impostos e em outras medidas que custaram mais de 10 bilhões de euros para aumentar o poder de compra dos eleitores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *