Coletivos cobram medidas de proteção contra covid-19 nas comunidades do Rio

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 11 de dezembro de 2020 as 12:50, por: CdB

Coletivos e organizações da sociedade civil fluminense pretendem cobrar da nova administração municipal, que assumirá em janeiro de 2021, propostas específicas para os moradores das favelas, sobretudo que possam reduzir os danos da população que usa transporte público. 

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

Coletivos e organizações da sociedade civil fluminense pretendem cobrar da nova administração municipal, que assumirá em janeiro de 2021, propostas específicas para os moradores das favelas, sobretudo que possam reduzir os danos da população que usa transporte público. 

Instituições argumetam que é dever do Estado proteger vulneráveis
Instituições argumetam que é dever do Estado proteger vulneráveis

A informação foi divulgada na quinta-feira durante a atualização diária do Painel Unificador Covid-19 nas Favelas, de forma virtual.

– As novas prefeituras e as Câmaras de Vereadores têm que pensar em medidas de proteção à população no transporte público e não apenas na campanha ‘use máscara’, mas dando acesso à água e esgoto – afirmou Tatiana Lima, do Comunidades Catalisadoras (ComCat).

A líder comunitária lembrou que a prefeitura é responsável pelo primeiro atendimento de saúde à população e pela rede municipal de educação, e deve pensar também na mobilidade para esses trabalhadores que moram em comunidades, que pertencem às classes D e E, mas que “fazem a economia girar”.

O futuro secretário de Planejamento Urbano da equipe do prefeito eleito Eduardo Paes, Washington Fajardo, presente durante a coletiva online, se colocou à disposição de Theresa Williamson, diretora executiva do Comunidades Catalisadoras e criadora do painel, “a partir de janeiro, para buscarmos tanto melhor integração para os dados do Instituto Pereira Passos (IPP), como métodos mais eficientes e sensíveis para os territórios populares”.

Decisões informadas

O Painel Unificador entrou no seu sexto mês de criação e divulgou hoje, Dia Internacional dos Direitos Humanos, a primeira nota técnica. A vice-coordenadora do Laboratório de Informações em Saúde do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz), Renata Gracie, destacou que a iniciativa visava à visibilização dos territórios.

Segundo Renata, a divulgação de dados pode salvar vidas ao fazer um diagnóstico da situação da saúde, “porque ajuda na tomada de decisões mais acertadas”. A coordenadora disse que as populações com mais dificuldade de acesso a dados sobre a covid são os que moram em favelas, além de quilombolas, indígenas e presidiários. Daí a importância de ter um painel que trate da pandemia nesses territórios.

O Painel divulgou hoje um total de 25,8 mil casos confirmados em 228 favelas da capital e municípios da Baixada Fluminense, com 2.901 óbitos confirmados. O maior número de casos foi encontrado no Complexo da Maré, zona norte da cidade (2.449), enquanto o maior número de óbitos (217) foi registrado na Comunidade Sem Terra, em Itaguaí. O painel representa hoje cerca de 64% dos domicílios das favelas na cidade do Rio.

A doutoranda na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC Rio), Amanda Scofano, salientou a expansão da cobertura apresentada pelo painel, que saiu de 122 favelas contempladas com dados, no seu lançamento, em julho passado, para as atuais 228 comunidades. Amanda destacou a favela da Rocinha, a maior do Rio de Janeiro, com 25 mil domicílios, 5ª colocada no ranking de covid-19 no painel, com 917 casos confirmados e 62 óbitos.

A pesquisadora ressaltou a necessidade das comunidades terem registro de rua com Código de Endereçamento Postal (CEP) para agregarem dados ao painel.

Mais mortes

Mariana Galdino, do LabJaca, grupo da favela do Jacarezinho, salientou a necessidade de continuar unindo forças em 2021, “para que o poder público esteja mais presente na nossa agenda”.

Andressa Cabral Botelho, do jornal Maré de Notícias, do Complexo da Maré, reforçou que os transportes não voltaram a funcionar como antes da pandemia. Agora, após a quarentena, são mais pessoas aglomeradas em menos meios de transporte operando. “E os números de casos de covid-19 estão crescendo de forma assustadora”. Segundo Andressa, a prefeitura precisa tomar medidas que não deixem essas pessoas tão vulneráveis.

Douglas Heliodoro, do Coletivo Conexões Periféricas, de Rio das Pedras, zona oeste do Rio, espera que o novo governo municipal entre em articulação com os movimentos para fazer de fato a contenção da pandemia. Ele acredita que o Painel Unificador vai ajudar na logística da vacinação nas favelas.

Tânia Alexandre da Silva, da Associação de Mulheres Edson Passos (AMEPA), da Comunidade Cosmorama, em Mesquita, Baixada Fluminense, confessou estar com medo de pegar a doença. Revelou que no posto de saúde da prefeitura situado em Cosmorama, de cada duas mil pessoas que vão fazer o teste da covid, 800 dão positivo. Por semana, em torno de duas pessoas morrem de covid na área. “Estou com muito medo”, afirmou Tânia.