Colômbia suspenderá venda de carvão para Israel devido à guerra

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado domingo, 9 de junho de 2024 as 10:38, por: CdB

O governo Petro alega que a suspensão das exportações é uma resposta às operações militares de Israel na Faixa de Gaza, que “representam uma transgressão de uma norma imperativa do direito internacional, que, por sua vez, faz parte do bloco de constitucionalidade colombiano”.

Por Redação, com CartaCapital – de Bogotá

A Colômbia vai suspender as exportações de carvão para Israel devido à ofensiva militar israelense na Faixa de Gaza, anunciou no sábado o presidente Gustavo Petro, forte crítico do governo de Benjamin Netanyahu pela condução do conflito.

O presidente da Colômbia, Gustavo Petro

– Vamos suspender as exportações de carvão para Israel até que o genocídio termine – escreveu o presidente de esquerda na rede social X.

Petro, que já chamou o governo do primeiro-ministro Netanyahu de “genocida”, anunciou em maio o rompimento das relações com Israel e também interrompeu a compra de armas fabricadas no país do Oriente Médio.

A restrição vigorará “até que sejam integralmente cumpridas as ordens de medidas provisórias emitidas pela Corte Internacional de Justiça no Processo de aplicação da Convenção para a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio na Faixa de Gaza”, indica o decreto do Ministério do Comércio, Indústria e Turismo.

Segundo o governo colombiano, a medida entrará em vigor cinco dias após sua publicação no Diário Oficial e não afetará mercadorias que já possuam pedido de autorização para embarque.

“Destino-chave”

Cerca de 90% das exportações colombianas para Israel correspondem a produtos de mineração e energéticos, incluindo carvão, segundo a Associação Nacional de Comércio Exterior da Colômbia.

Entre janeiro e agosto de 2023, a Colômbia “exportou US$ 375 milhões (R$ 1,98 bilhão) para Israel, com uma concentração considerável no carvão”, afirma o decreto, destacando que esta substância é um “recurso estratégico para a facricação de armas, a mobilização de tropas, e a fabricação de aparatos para operações militares”.

Na quinta-feira, a Associação Colombiana de Mineração manifestou a sua preocupação com a possibilidade de suspensão das exportações e recordou o acordo comercial que o país sul-americano mantém em vigor com Israel desde 2020.

“Israel é um destino-chave para as exportações colombianas de carvão térmico”, observou a organização em comunicado, acrescentando que a proibição das exportações “coloca em risco a confiança nos mercados e o investimento estrangeiro”.

O governo Petro alega que a suspensão das exportações é uma resposta às operações militares de Israel na Faixa de Gaza, que “representam uma transgressão de uma norma imperativa do direito internacional, que, por sua vez, faz parte do bloco de constitucionalidade colombiano”.

Petro critica reiteradamente da postura israelense na guerra em Gaza. O conflito eclodiu em 7 de outubro, quando milicianos do Hamas mataram 1.170 pessoas em Israel, segundo um balanço da agência francesa de notícias AFP baseado em dados oficiais.

Em resposta, Israel lançou uma operação que custou a vida a pelo menos 36.801 pessoas em Gaza, a maioria civis, segundo o Ministério da Saúde do território palestino, governado desde 2007 pelo Hamas.

Em maio, a Corte Internacional de Justiça (CIJ), o mais alto órgão judicial da ONU, ordenou que Israel parasse suas operações em Rafah e o procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI) solicitou a emissão de mandados de prisão contra Netanyahu, seu ministro da Defesa, Yoav Gallant, além de três líderes do Hamas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *