Combustível de aviação terá produção reduzida por conta do novo coronavírus

Arquivado em: Destaque do Dia, Energia, Últimas Notícias
Publicado sábado, 14 de março de 2020 as 16:09, por: CdB

A diferença entre o combustível de aviação e o diesel caiu para um desconto de US$ 3,86 por barril na quinta-feira, menor nível desde 13 de agosto de 2015, segundo dados da S&P Global Platts.

Por Redação, com Reuters – de Nova York, NY-EUA

Refinarias podem restringir a produção de combustível de aviação, ao reduzir parcialmente seu processamento de petróleo, em meio à queda do valor do produto frente ao diesel depois que os Estados Unidos disseram que irão banir voos provenientes da Europa para conter a disseminação do coronavírus.

A tendência das refinarias é de reduzir, substancialmente, a produção do querosene de aviação
A tendência das refinarias é de reduzir, substancialmente, a produção do querosene de aviação

A diferença entre o combustível de aviação e o diesel caiu para um desconto de US$ 3,86 por barril na quinta-feira, menor nível desde 13 de agosto de 2015, segundo dados da S&P Global Platts. O presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou na quarta-feira que foram vetadas viagens aos EUA provenientes de 26 países europeus, por período de 30 dias. No mesmo dia, a Índia disse que iria suspender a concessão de vistos para viagem ao país.

Como resultado da medida dos EUA, a demanda por combustível de aviação pode cair entre 200 mil e 250 mil barris por dia, uma redução dividida entre os mercados norte-americanos e europeus ao longo dos 30 dias de validade do veto, disse o principal analista de refino da Wood Mackenzie, Mark Williams.

Produção

As refinarias podem lidar com o menor valor do combustível para aviação cortando suas taxas de processamento para menor fabricação do produto, que geralmente é feito durante a destilação inicial do petróleo em derivados.

— Eu tenho certeza de que elas já estão fazendo o possível para reduzir a produção de combustível de aviação — disse um agente de mercado nos EUA.

Os preços físicos do combustível de aviação na costa do Golfo dos EUA caíram para US$ 0.20, US$ 0.25 de dólar o galão abaixo dos futuros do óleo para aquecimento na bolsa de commodities de Nova York nesta semana, disseram operadores. É o menor nível para essa época do ano desde ao menos 2004, os mais antigos números disponíveis, segundo dados da Refinitiv.

— Isso (a restrição dos EUA a voos) é o fim do mercado de (combustível de) aviação e provavelmente precisará haver cortes no processamento na Europa. Isso terá um efeito também sobre os mercados da Ásia e as refinarias provavelmente terão que avaliar cortes no processamento — disse uma fonte em uma refinaria da Coreia do Sul.

Combustível de aviação geralmente não pode ser armazenado por longos períodos por riscos de perdas de qualidade, o que incentiva as refinarias a produzir menos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *