Comércio no Rio do Janeiro não respeita decreto e abre antes das 9h

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 7 de abril de 2020 as 11:52, por: CdB

Apesar do decreto publicado na segunda pela prefeitura do Rio de Janeiro determinando a abertura do comércio às 9h a partir desta terça-feira, a determinação não foi seguida por alguns lojistas.  

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

Apesar do decreto publicado na segunda pela prefeitura do Rio de Janeiro determinando a abertura do comércio às 9h a partir desta terça-feira, a determinação não foi seguida por alguns lojistas.

Medida é para evitar aglomerações no transporte coletivo
Medida é para evitar aglomerações no transporte coletivo

Antes das 9h, havia supermercados, hortifrutis e lojas de material de construção abertos na região do Flamengo e de Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro, locais percorridos pela reportagem da Agência Brasil.

De acordo com o Decreto nº 47.336, estão autorizados a abrir antes das 9h as padarias e confeitarias, farmácias e drogarias, postos de combustível e lojas de conveniência, sem consumo nas lojas, e bancas de jornal, estabelecimentos que tradicionalmente abrem mais cedo.

Os impactos da nova medida

Em nota, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) informa que “está consultando os representantes de diversos segmentos para avaliar os impactos da nova medida”.

“A federação antecipa que qualquer alteração terá efeito colateral, principalmente em relação à diminuição do horário de funcionamento, como nos supermercados, locais que devem evitar aglomerações”.

A Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (Asserj) foi procurada mas ainda não tem um posicionamento sobre a questão.

Segundo a prefeitura, o objetivo da mudança nos turnos de trabalho na indústria e no comércio é evitar aglomerações no transporte coletivo.

Evitar aglomerações

O serviço Disk Aglomeração da prefeitura do Rio de Janeiro, que está atendendo pela Central 1746, vai começar a utilizar os sinais de celulares para identificar pontos de aglomeração de pessoas. A medida integra o pacote de combate à disseminação do novo coronavírus, que já conta 1.110 casos confirmados e 47 óbitos por covid-19 no município.

O uso dos dados faz parte de uma parceria do Centro de Operações Rio (COR) com a operadora de telefonia TIM. Na semana passada, o governo federal também firmou parceria nesse sentido com as empresas de telefonia Vivo, Claro, Oi, Tim e Algar, que vai durar por todo período de calamidade pública da covid-19.

A ferramenta identifica a quantidade de pessoas em algum local por meio do sinal emitido pelas antenas de aparelho celulares. Os dados são transmitidos e atualizados em tempo real no painel do Gabinete de Crise montado no Riocentro.

Serão utilizadas câmeras da prefeitura para complementar as informações e identificar os casos de trabalhadores em expediente ou pedestres. Após essa análise, uma equipe pode ser enviada ao local para dispersar as pessoas.

Para o secretário municipal de Ordem Pública, Gutemberg Fonseca, a plataforma vai ampliar a capacidade de atuação do poder público para evitar as aglomerações.

“Embora a parceria seja apenas com uma companhia telefônica, é possível estimar o público naquela região com base na participação de cada empresa no mercado. A parceria com a TIM e o COR é o primeiro passo para conseguirmos ampliar ainda mais nossa atuação no combate ao novo coronavírus, seguindo as determinações do prefeito Marcelo Crivella.”

De acordo com ele, o sistema assegura o sigilo dos dados dos clientes. “É muito importante dizer que todas as informações coletadas são anônimas, respeitando critérios de confidencialidade e segurança de dados pessoais, conforme prevê a Legislação.”

O chefe-executivo do COR, Alexandre Cardeman, explica que a mesma tecnologia já foi utilizada no município, para ajudar no planejamento da mobilidade durante os Jogos Olímpicos de 2016.

Foram destacados para o serviço 30 agentes, entre guardas municipais e policiais militares, divididos em cinco equipes. O objetivo é fiscalizar reuniões de dez pessoas ou mais que não tenham justificativa aparente e não respeitem a distância de um metro e meio entre elas.

Segundo a prefeitura, foram atendidos até o fim de semana 776 chamados e encontradas 273 aglomerações. A central também fiscalizou 1.933 estabelecimentos e fechou 1.282, que estavam funcionando em desacordo com as determinações do poder municipal. O serviço, operado pela Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), pode ser solicitado pelo site da Central 1746.

Os bairros com mais chamadas são Campo Grande, Centro, Realengo, Bangu, Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Tijuca, Copacabana, Santa Cruz e Taquara.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *