Comissão que investiga ditadura é calada por ordem de Bolsonaro

Arquivado em: Brasil, Manchete, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 1 de agosto de 2019 as 13:56, por: CdB

Após fala do presidente, a Comissão emitiu um documento provando que o pai do presidente da OAB foi vítima do Estado no regime militar.

Por Redação, com CartaCapital – de Brasília

Foi anunciado na manhã desta quinta-feira, pelo presidente Jair Bolsonaro e pela ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, a troca de quatro membros da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos.

Presidente Jair Bolsonaro

A decisão acontece uma semana depois que a Comissão emitiu um documento desmentindo Bolsonaro e dizendo que a morte de Fernando Santa Cruz, pai de Felipe Santa Cruz, presidente da OAB, ocorreu “em razão de morte não natural, violenta, causada pelo Estado Brasileiro”.

No começo da semana, Bolsonaro se envolveu em uma polêmica com o presidente da Ordem. Ao ser questionado sobre a posição da OAB na defesa dos direitos de Adélio Bispo, autor da facada contra Bolsonaro, o pesselista atacou a memoria do pai de Felipe.

OAB

– Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, eu conto. Ele não vai querer ouvir a verdade. Eu conto para ele – afirmou Bolsonaro.

Logo em seguida a então presidente da comissão, Eugênia Augusta Gonzaga, que foi demitida nesta quinta, criticou a fala de Bolsonaro. “É muito grave essa declaração. Ele está transformando um dever oficial, que é dar informações aos familiares, que ele já deveria ter cumprido, em uso político contra um crítico do seu governo”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *