Confinamento aumenta nos EUA, idem o número de mortes por covid-19

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado domingo, 12 de abril de 2020 as 18:29, por: CdB

Com quase todo o país sob ordens de ficar em casa para conter a propagação da doença, muitos se voltaram para os cultos online no dia mais sagrado do calendário cristão.

Por Redação, com agências internacionais – de Nova York, NY, e Washington

Os norte-americanos passaram o domingo em confinamento, com o número de vítimas da nova pandemia de coronavírus nos Estados Unidos ultrapassando 20.500 mortes e mais de meio milhão de casos confirmados no fim de semana da Páscoa.

Mais de 35 milhões de norte-americanos vivem na miséria e se tornam as principais vítimas da covid-19
Mais de 35 milhões de norte-americanos vivem na miséria e se tornam as principais vítimas da covid-19

Com quase todo o país sob ordens de ficar em casa para conter a propagação da doença, muitos se voltaram para os cultos online no dia mais sagrado do calendário cristão.

“As gerações futuras olharão para isso como a longa Quaresma de 2020, uma época em que doenças e morte de repente escureceram toda a Terra. Nossas igrejas podem estar fechadas, mas Cristo não está em quarentena e seu Evangelho não está acorrentado”, escreveu o arcebispo Jose Gomez, de Los Angeles, a padres e paroquianos de todo o país, pedindo-lhes que se mantivessem firmes.

Mortos

Os Estados Unidos registraram o maior número de mortes até hoje causadas pelo Covid-19, com aproximadamente 2.000 óbitos por dia nos últimos quatro dias consecutivos e a maior parte dos casos ocorrendo na cidade de Nova York e seus arredores.

Mesmo esse número é considerado subestimado, pois Nova York ainda está descobrindo a melhor maneira de incluir um aumento nas mortes em casa em suas estatísticas oficiais. À medida que o número de mortos aumenta, o presidente Donald Trump tem ponderado quando o país poderá começar a ver um retorno à normalidade.

As abrangentes restrições a movimentos não essenciais que foram impostas nas últimas semanas em 42 Estados causaram um impacto enorme no comércio e levantaram questões sobre quanto tempo os fechamentos de negócios e as restrições a viagens podem ser mantidos.

Restrições

O número de norte-americanos que procuraram auxílio-desemprego nas últimas três semanas ultrapassou 16 milhões.

A administração Trump vê o dia 1º de maio como uma data-alvo para relaxar as restrições de confinamento, disse neste domingo o comissário da Administração de Alimentos e Medicamentos, Stephen Hahn. Mas ele alertou que ainda é muito cedo para dizer se esse objetivo será alcançado.

— Vemos luz no fim do túnel — afirmou Hahn ao programa da ABC “This Week”, acrescentando que “a segurança pública e o bem-estar do povo americano têm que vir em primeiro lugar. Isso deve conduzir essas decisões”.

Estado crítico

O principal especialista em doenças infecciosas dos EUA disse que estava cautelosamente otimista de que parte do país está começando a ver uma reviravolta na luta contra o surto.

O dr. Anthony Fauci fez neste domingo considerações sobre a área metropolitana de Nova York, que teve seu maior número de mortes diárias na semana passada, juntamente com uma diminuição nas hospitalizações, internações em terapia intensiva e necessidade de entubar pacientes críticos.

— Depois de virar essa esquina, esperamos ver um declínio muito acentuado e começar a pensar em como podemos mantê-lo assim — disse Fauci à CNN.

Economia

O maior especialista em doenças infecciosas dos Estados Unidos alertou que, embora locais duramente atingidos pelo coronavírus, como o Estado de Nova York, estejam mostrando resultados positivos na luta contra a doença, é cedo demais para amenizar as restrições aos norte-americanos.

O alerta de Anthony Fauci veio depois de as principais autoridades econômicas do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, dizerem no dia anterior que acreditam que a economia do país pode começar a voltar à atividade normal em maio, apesar de especialistas de saúde exortarem a manutenção do distanciamento social para derrotar o coronavírus.

Trump, republicano que almeja se reeleger em 3 de novembro, deixou claro que quer reativar a economia o mais cedo possível.

— Com sorte, recomeçaremos… muito, muito, muito, muito em breve, espero. O que estamos vendo neste momento são alguns sinais favoráveis. Agora não é hora de recuar — concluiu Fauci.