Confirmada militância nazista do criador da Berlinale

Arquivado em: Arquivo CDB, Boletim, Cultura, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 1 de outubro de 2020 as 14:07, por: CdB
Alfred Bauer quando diretor do Festival Internacional de Cinema de Berlim

A direção do Festival Internacional de Cinema de Berlim confirmou as suspeitas levantadas pelo jornal Die Zeit, há alguns meses, quanto ao passado de militância nazista do criador e primeiro diretor da Berlinale.

Pesquisas aprofundadas foram feitas nestes últimos meses sobre a juventude de Alfred Bauer, revelando-se ter desempenhado papel importante junto a Joseph Goebbels, o criador da indústria cinematográfica no Terceiro Reich de Adolf Hitler.

Entretanto, logo depois do fim da Segunda Guerra Mundial, Alfred Bauer conseguiu destruir todos  os documentos mostrando suas ligações próximas com o governo nazista alemão. A tal ponto que foi o primeiro diretor do prestigioso Festival Internacional de Cinema de Berlim, tendo sido seu diretor durante 25 anos. Um ano após sua morte, em 1987, foi criado um importante prêmio, anulado este ano, com seu nome dentro do Festival Internacional de Berlim ou Berlinale.

Importantes cineastas mundiais receberam o Prêmio Especial Alfred Bauer nestes últimos 33 anos.

A direção do Festival Internacinal de Cinema de Berlim divulgou o seguinte comunicado a respeito do passado nazista de Alfred Bauer:

Estudo histórico sobre o diretor e fundador  da Berlinale, Alfred Bauer

O estudo confirma que o papel de Bauer na Intendência de Filmes do Reich foi mais significativo do que se conhecia anteriormente e foi sistematicamente encoberto por ele depois de 1945.

Em fevereiro de 2020, a administração do Festival Internacional de Cinema de Berlim encomendou ao Instituto Leibniz de História Contemporânea (IfZ) para investigar a posição de Alfred Bauer na burocracia do cinema nazista. A ocasião foi a publicação na mídia de fontes que reexaminaram o papel e as tarefas de Bauer na Intendência de Filmes do Reich (o órgão dirigente da política cinematográfica nacional-socialista).

A Intendência de Filmes do Reich foi criada por decreto de Joseph Goebbels, o Ministro do Reich para a Iluminação Pública e Propaganda, datado de 28 de fevereiro de 1942, e foi a instituição central de controle da produção cinematográfica no regime nazista. Alfred Bauer foi conselheiro do Reichsfilmintendant. Após o fim da guerra, ele continuou sua carreira na indústria cinematográfica alemã. E em 1951, ele se tornou o primeiro diretor do recém-fundado Festival Internacional de Cinema de Berlim; ele ocupou esta posição até 1976.

O estudo encomendado pela direção do Festival Internacional de Cinema de Berlim confirmou as suspeitas levantadas pelo jornal Die Zeit, há alguns meses, quanto ao passado de militância nazista do criador e primeiro diretor da Berlinale. IfZ, e conduzido pelo dr. Tobias Hof mostra que Alfred Bauer devia estar ciente do importante papel do Intendência de Filmes do Reich no aparato de propaganda do regime nazista. Seu emprego no Intendência de Filmes do Reich contribuiu para o funcionamento, estabilização e legitimação do regime nazista. Bauer também se juntou a várias organizações nacional-socialistas no início (a partir de 1933) e tornou-se membro do NSDAP em 1937.

Além disso, o estudo revela que durante seu processo de desnazificação (1945-1947), Bauer tentou ocultar seu papel no regime nazista por meio de declarações deliberadamente falsas, meias-verdades e reivindicações e, em vez disso, construiu uma imagem com a qual se apresentou como um oponente de o regime nazista.

“As novas descobertas, agora cientificamente pesquisadas, sobre as responsabilidades de Alfred Bauer na Intendência de Filmes do Reich e seu comportamento no processo de desnazificação são surpreendentes.

No entanto, elas constituem um elemento importante no processo de lidar com o passado nazista das instituições culturais que foram fundadas após 1945. Surge, portanto, a questão de saber quais continuidades orientadas para o pessoal moldaram a cena cultural alemã nos anos do pós-guerra.

O novo conhecimento também muda a visão dos anos de fundação da Berlinale ”, diz a diretora executiva da Berlinale, Mariette Rissenbeek. “O estudo do Instituto Leibniz de História Contemporânea também indica ainda existirem, na Alemanha, numerosas lacunas de pesquisa na análise histórica da indústria cinematográfica do pós-guerra.”

Rui Martins, correspondente